sicnot

Perfil

País

Seis ambulâncias paradas em Lisboa, técnicos convocam vigília

Os técnicos do INEM convocaram, para hoje, uma vigília contra a degradação das condições de trabalho e recusam fazer turnos extra, pelo que seis das 17 ambulâncias existentes em Lisboa estão paradas, pondo em risco o socorro à população.

O Instituto Nacional de Emergência Médica admite que não consegue fazer face à falta de recursos humanos e já tinha decidido reduzir os turnos das ambulâncias ao serviço na região de Lisboa, a partir de segunda-feira. (Arquivo)

O Instituto Nacional de Emergência Médica admite que não consegue fazer face à falta de recursos humanos e já tinha decidido reduzir os turnos das ambulâncias ao serviço na região de Lisboa, a partir de segunda-feira. (Arquivo)

DR

Em declarações à Lusa, Rui Gonçalves, da Comissão de Trabalhadores (CT) do INEM, disse à Lusa que esta vigília, "em defesa dos postos de trabalho e da dignidade profissional", está marcada para as 24:00, em frente à sede do instituto.

A ação de protesto foi convocada pelos técnicos de emergência (TE) através das redes sociais, como resposta a um comunicado emitido pelo INEM, segundo o qual "estão já a ser implementadas medidas para que todas as necessidades [de recursos humanos] sejam colmatadas".

Estas medidas consistem em solicitar "a alguns TE das Delegações do Norte e do Centro, que se prontificaram a suprir as lacunas existentes em algumas bases de Lisboa, mas também chamando de novo a prestar serviço como TE, profissionais que estavam alocados a outros serviços", revela a nota do INEM, garantindo que os cuidados de emergência médica estão assegurados à população.

Rui Gonçalves, da Comissão de Trabalhadores, desmente a direção do INEM, afirmando que, se esta vai recorrer -- como afirmou -- a "todos os meios legais" ao dispor para prestar os cuidados de emergência médica à população, é porque admite que os socorros estão em causa.

"Neste momento estão seis ambulâncias paradas, de um total de 17, com tendência a aumentar. Seis é quase metade", avisa Rui Gonçalves, sublinhando que "o socorro em Lisboa está, sim, em causa".

O responsável ressalva que os profissionais do INEM "não querem deixar a população sem socorro, mas existe um mínimo que é exigido".

Na sexta-feira à tarde, decorreu uma reunião de TE, que se queixam da falta de pagamento de subsídios e de horas extra e de mais cortes no salário, uma situação que atinge o INEM em todo o país, mas especialmente em Lisboa.

Para Rui Gonçalves, a posição assumida pelo INEM, de recorrer a parceiros para fazer face à carência de recursos humanos só demonstra que "não há abertura ao diálogo".

Na opinião de Rui Gonçalves, esta opção "não vai correr bem ao INEM", desde logo porque os TE's do resto do país não vão colmatar as falhas em Lisboa, e mobilizar bombeiros para esse serviço é um risco em época de incêndios.

O responsável garante que "não vão conseguir e que neste fim de semana ninguém vai [preencher as lacunas em Lisboa]", porque "a necessidade de recursos humanos é mais notória em Lisboa, mas é transversal a todo o país, com muito recurso a horas extra".

"Os técnicos não vão deixar com falhas as suas regiões, para colmatar falhas em Lisboa, e os bombeiros vão ter de ajudar, em altura de fogos. Isto não vai correr bem", afirma.

Segundo a CT, a luta destes trabalhadores é pela defesa dos postos de trabalho e contra o seu desaparecimento.

"Mais do que o dinheiro é o direito ao trabalho e à dignidade profissional. Temos técnicos que em 30 dias de trabalho fazem 31 turnos, para ganhar pouco mais de mil euros, por isso não é uma questão de dinheiro. É a exaustão a que a má gestão e falta de planeamento levou. Os trabalhadores estão cansados, desgastados e descontentes com esta posição", afirmou.

A vigília foi convocada pelos técnicos de emergência, mas a CT manifestou a sua solidariedade e garantiu que estará ao lado daqueles trabalhadores.

Rui Gonçalves adiantou ter indicação de que estarão presentes na vigília pelo menos 150 pessoas, vindas do Porto, de Coimbra e do Algarve.


Lusa
  • Apoiar o Governo "é um dever constitucional"
    0:50

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa diz que apoiar o Governo é um dever constitucional do Presidente da República. Num balanço do primeiro ano em Belém, Marcelo respondeu assim a quem o acusa de andar com o Governo "ao colo".

  • Brexit só avança com aprovação parlamentar
    3:04

    Brexit

    O Supremo Tribunal britânico decidiu que o Governo precisa de ter a aprovação do Parlamento para avançar com o Brexit. A decisão foi validada por uma maioria de oito contra três juízes e justificada esta terça-feira pelo Supremo britânico. Por consequência, a libra esterlina atingiu a cotação mais alta do ano em relação ao dólar.

  • Primeira-ministra da Escócia apela ao voto contra a saída da UE
    2:25

    Brexit

    Depois da decisão do Supremo Tribunal britânico em relação ao Brexit, a primeira-ministra da Escócia veio pedir aos deputados que votem contra a saída da União Europeia. Nicola Sturgeon vai apresentar uma moção no Parlamento escocês para que este se pronuncie sobre o Brexit.

  • "A Miss Helsínquia é a mulher mais feia que já vi num concurso de beleza"

    Mundo

    Sephora Lindsay Ikabala venceu o concurso Miss Helsínquia 2017 e, desde então, tem vindo a ser insultada e criticada nas redes sociais. A nigeriana de 19 anos vive na cidade desde criança. "A Miss Helsínquia é literalmente a mulher mais feia que já vi num concurso de beleza", é apenas um dos muitos comentários que circula nas redes sociais.

  • As propostas Chanel para a próxima estação
    1:34

    Mundo

    Um dos desfiles mais aguardados do mundo da moda aconteceu esta segunda-feira, em Paris, com as propostas da casa Chanel para a próxima estação primavera/verão. No final do desfile, e pela primeira vez em 30 anos, Karl Lagarfeld não deu nenhuma entrevista à comunicação social.