sicnot

Perfil

País

Conselho das Escolas propõe miniférias no outono

O Conselho das Escolas defende que os alunos devem ter uma pausa de dois dias a meio do primeiro período, tal como acontece noutros países europeus, e já recomendou ao Ministério da Educação essa mudança no calendário escolar.

(Lusa/Arquivo)

(Lusa/Arquivo)

(Lusa/Arquivo)

Para o Conselho das Escolas (CE), o ano letivo deve continuar a ter as três interrupções obrigatórias - Natal, Páscoa e Carnaval - mas depois, no primeiro período, deve haver também uma "interrupção de dois dias úteis consecutivos", segundo o documento enviado quinta-feira para o Ministério da Educação e Ciência (MEC).

"O primeiro período letivo é, por norma, o mais extenso do ano, correspondendo também, e frequentemente, a cerca de três meses completos de atividades letivas, mais de sessenta dias úteis de aulas", lê-se na recomendação sobre o calendário escolar aprovada em reunião extraordinária do CE realizada quinta-feira.

Por isso, o CE entende que deve haver uma espécie de "férias de outono", tal como acontece noutros países europeus, para que as escolas "possam fazer um balanço da atividade desenvolvida e decidir medidas de apoio para os alunos que começam a apresentar dificuldades", explicou à Lusa José Eduardo Lemos, presidente do CE.

A recomendação sugere que a "interrupção ocorra entre os dias 29 de outubro e 3 de novembro, de acordo com decisão dos órgãos de gestão e administração das Escolas, tomada com base nos respetivos projetos educativos".

Além da paragem das aulas a meio do primeiro período, o CE faz outras duas recomendações, entre as quais a de que "os exames do 4.º e 6.º ano passem a realizar-se depois das aulas ou então na última semana e não a meio do terceiro período", resumiu José Eduardo Lemos.

Para o presidente daquele órgão consultivo, "não faz sentido, os alunos fazerem exames e depois continuarem o ano letivo. Os exames servem para avaliar os seus conhecimentos e, como tal, devem ser o culminar do ano letivo".

Além disso, lembrou, a realização das provas durante as aulas traz também problemas para muitos dos restantes alunos, que ficam vários dias sem escola porque os seus professores são chamados para vigiar ou corrigir os exames.

Este ano, algumas escolas adotaram medidas para não afetar os restantes alunos, mas em muitos casos a realização das provas "interferiu com o normal funcionamento das atividades letivas e impediu muitos alunos de frequentarem as aulas durante vários dias, em claro prejuízo da organização da vida familiar e das legítimas expetativas de pais e alunos", lê-se na recomendação.

Além dos exames do 4.º e 6.º anos, o CE entende que também deve ser marcada para depois das aulas a realização da prova de inglês -- "o Preliminary English Test (PET), ou de qualquer outro instrumento de avaliação similar, caso o MEC mantenha a decisão de o continuar a aplicar". 

Sobre a decisão do MEC de marcar para maio as provas para que os alunos que precisem possam ter apoio, o CE entende que tal também pode ser feito depois do fim do ano letivo.

O CE quer ainda que "o fim do ano letivo deixe de ser feito às pinguinhas", ironizou José Eduardo Lemos, lembrando que existem datas diferentes consoante os anos de escolaridade.

E por isso, o CE recomenda que "no calendário escolar 2015/2016 seja fixado, tal como tem acontecido para o início do ano letivo, um intervalo de dias comum a todas as Escolas e anos de escolaridade, para que estas estabeleçam, por decisão sufragada pelo Conselho Geral, a data de termo do ano letivo".

O Conselho das Escolas representa, junto do ministério, os estabelecimentos de educação da rede pública no tocante à definição das políticas pertinentes para a educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário.



Lusa
  • Bruno de Carvalho suspenso por mais 90 dias

    Desporto

    O presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, foi suspenso por 90 dias na sequência de declarações proferidas numa entrevista televisiva em março, anunciou esta terça-feira o Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol (FPF).

  • Benfica critica castigo de Samaris e vai recorrer

    Desporto

    O Benfica reagiu esta terça-feira ao castigo de três jogos aplicado ao grego Andreas Samaris, considerando que a decisão, da qual vai recorrer, é prova de que o futebol português está "entregue à instabilidade, à incoerência e à insegurança".

  • "Álvaro" viveu seis anos de maus tratos num casamento de oito
    5:06
  • Governo disposto a ceder a algumas reivindicações dos enfermeiros
    1:58

    Economia

    Os enfermeiros ameaçam voltar à greve se o Governo não lhes der um subsídio no valor de 400 euros. Esta terça-feira o Governo esteve reunido com dois dos quatro sindicatos. O Ministério diz estar disposto a ceder a algumas reivindicações, mas o ministro da Saúde fez saber que o aumento de 400 euros é incomportável. 

  • Como fazer fotos e vídeos menos tremidos
    8:43
  • Viajar a 110 km/h agarrado ao para-brisas de um comboio

    Mundo

    Um homem de 23 anos foi detido por viajar preso a um comboio - mais concretamente ao limpa para-brisas -, que atinge velocidades perto dos 110 quilómetros por hora, numa viagem entre as estações de Leederville e Glendalough, na Austrália.

  • Rapper quer provar que a terra é plana

    Mundo

    O rapper B.o.B. lançou uma campanha na plataforma GoFundMe para enviar satélites que possam comprovar que a Terra é redonda e azul. No ano passado, o norte-americano defendeu nas redes sociais que o planeta é plano.