sicnot

Perfil

País

Governo já concretizou ambição do PS em reduzir utentes sem médico de família

Governo já concretizou ambição do PS em reduzir utentes sem médico de família

Paulo Macedo quer reduzir em um milhão o número de utentes sem médico de família até ao próximo ano. Uma ambição do Governo que, para o ministro da Saúde, é reveladora quando comparada com a ambição do programa eleitoral do PS.

Numa referência à "área essencial dos médicos de família", o ministro da Saúde reiterou o "desiderato de ter médico de família para todos os portugueses", salientando que o atual Governo diminuiu de cerca de 2,1 milhões para 1,2 milhões o total de portugueses sem médico de família atribuído.

E, adiantou, "com a colocação dos médicos este ano o número baixará para cerca de 500/600 mil pessoas", ou seja, haverá "no final do ano/princípio de 2016 uma redução de mais de um milhão de pessoas que deixaram de não ter médico de família".

A este propósito, Paulo Macedo apontou a "ambição" constante do programa do Partido Socialista de atribuir médicos de família a mais 500 mil pessoas nos próximos quatro anos.

"Ora, mais 500 mil pessoas conseguimos nós neste período de maior crise, em que houve uma das maiores concentrações de reformas antecipadas de médicos de sempre", afirmou.
  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a lider da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleiçoes em vários países, como a Alemanha e a Holanda.