sicnot

Perfil

País

Greve no Metro de Lisboa na quinta-feira sem serviços mínimos

O tribunal arbitral do Conselho Económico e Social (CES) anunciou hoje que não decretou serviços mínimos para a circulação de comboios do Metropolitano de Lisboa na greve de 24 horas agendada para a próxima quinta-feira.

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

Os trabalhadores do Metropolitano de Lisboa marcaram uma greve de 24 horas contra a subconcessão da empresa para o dia 18 de junho, sendo que os trabalhadores dos serviços noturnos iniciam o seu período de greve às 23:30 de quarta-feira até às 07:00 de quinta-feira.

"Esta luta tem também o objetivo de lutar contra a reestruturação interna que está a ser feita, que vai originar a extinção de postos de trabalho e que assenta no objetivo de criar uma estrutura para uma empresa única que não existe", esclareceu a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans).

A decisão do tribunal arbitral, divulgada hoje na página daquele organismo na Internet, prevê que "não são fixados quaisquer serviços mínimos relativamente à circulação de composições".

Em contrapartida, o acórdão obriga os trabalhadores a assegurarem os serviços necessários à segurança e manutenção do equipamento e das instalações.

O tribunal justifica a decisão com o facto de existirem em Lisboa meios de transporte alternativos ao Metropolitano e de não haver coincidência de outras greves nos transportes na mesma área geográfica.

  • Alianças do PS marcam discursos no Congresso do PS
    2:51
  • Souto de Moura feliz com distinção na Bienal de Arquitetura de Veneza
    1:10
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos. Depois de um curso intensivo de português durante três meses, os jovens vão iniciar o ano letivo em vários pontos do país.