sicnot

Perfil

País

Ministro diz que o país vai precisar de mais professores

O ministro da Educação, Nuno Crato, defendeu esta sexta-feira que o país vai precisar, dentro de alguns anos, de mais professores, devido à aposentação de muitos dos atuais docentes, o que abrirá uma oportunidade aos jovens.

Lusa

"A geração de quem quer ser professor, quando acabar o seu curso, vai ter oportunidades", afirmou.

Discursando na cerimónia de inauguração do ISCE-Douro, uma instituição de ensino privado em Penafiel que forma professores, o ministro insistiu que o futuro do país carece de mais docentes. 

Para Nuno Crato, aquela necessidade constitui também uma oportunidade para as instituições de ensino superior que formam professores.

"Queremos que os novos professores estejam mais bem qualificados", vincou.

Falando para uma plateia formada por dezenas de professores e autarcas do Tâmega e Sousa, o ministro sublinhou a importância de as instituições de ensino superior, como o ISCE-Douro, terem uma ligação "tão próxima" às autarquias e ao tecido empresarial.

"Isso vai permitir uma formação adequada às necessidades da região", comentou, enquanto destacava a importância dos novos cursos de técnicos superiores profissionais que vão ser lecionados naquele estabelecimento.

O ministro sublinhou também a importância de o ensino do inglês ser agora obrigatório durante sete anos.

"É um avanço decisivo na educação do país", exclamou, referindo-se à importância do inglês como língua internacional.

À margem da cerimónia, Nuno Crato disse aos jornalistas que no último ano aumentou o número de alunos do ensino superior que beneficiaram da ação social. O facto de ter subido o limiar a partir do qual os alunos têm acesso às bolsas permitiu, assinalou, abranger mais estudantes.

A melhoria do apoio, declarou ainda, garantiu que muitos estudantes pudessem prosseguir os seus estudos, correspondendo ao desejo do Governo de ter mais jovens a frequentar o ensino superior. 

As instalações hoje inauguradas, onde funcionava uma escola do primeiro ciclo, foram cedidas pela Câmara de Penafiel. 

O presidente da autarquia, Antonino Sousa, disse tratar-se de um momento histórico para a cidade, 15 anos depois de ter perdido o ensino superior, então com a saída da Universidade Portucalense.

O autarca disse esperar que o ISCE-Douro ajude a qualificar a população de uma das regiões mais jovens do país e dessa maneira contribuir para a competitividade do território do Tâmega e Sousa.
Lusa
  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.