sicnot

Perfil

País

Sindicatos esperam milhares de professores nas ruas

A plataforma sindical da Educação espera hoje em Lisboa milhares de professores e investigadores na manifestação convocada contra questões como o desgaste a que estão sujeitos os docentes, a municipalização, a mobilidade especial ou a prova de avaliação docente.

Arquivo

Arquivo

© Rafael Marchante / Reuters

"Os temas centrais desta manifestação são a exigência de medidas que atenuem o elevado desgaste a que estão sujeitos os docentes e investigadores no exercício da sua profissão, a exigência de um regime de aposentação que tenha em conta esse desgaste e também a exigência de suspensão do processo de municipalização em curso, contra o qual os professores, de forma esmagadora, têm vindo a pronunciar-se", declararam os sindicatos que integram a plataforma, em comunicado.

Os professores e investigadores concentram-se pelas 14:30 no Marquês de Pombal, em Lisboa, e começam pelas 15:00 a descer a Avenida da Liberdade, em direção aos Restauradores, onde termina o protesto.

Pelas 17:00, o secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof) fará uma intervenção perante os presentes, e será também votada uma moção que, "a ser aprovada, será enviada ao governo, aos grupos parlamentares e a diversas entidades".

  • Obras no Miradouro de São de Pedro de Alcântara não foram a concurso
    2:50

    País

    As obras no Miradouro de São Pedro de Alcântara, em Lisboa, arrancaram esta segunda-feira. A intervenção foi adjudicada à construtora Teixeira Duarte sem concurso público. A autarquia justifica esta decisão com o caráter urgente da obra, argumento que não consta do relatório do Laboratório Nacional de Engenheria Civil, a que a SIC teve acesso.

  • Rajadas de vento em Moscovo atingem os 110 km/hora
    0:57

    Mundo

    A passagem de uma tempestade por Moscovo fez pelo menos 11 mortos e mais de 50 feridos. Os ventos fortes, que chegaram aos 110 km/hora, destruíram carros e telhados e provocaram atrasos nos transportes. Na região de Stavropol, mais de 60 mil pessoas foram retiradas de casa por perigo de cheias.