sicnot

Perfil

País

GNR deteve 30 condutores e multou 315 durante a operação "moto"

A GNR deteve 30 condutores e multou 315 durante a operação "moto" realizada no domingo nas estradas com maior intensidade de tráfego de motociclos, indicou hoje a corporação.

(SIC/ Arquivo)

Em comunicado, a Guarda Nacional Republicana adianta que 12 condutores foram detidos por falta de habilitação legal para conduzir e 13 por excesso de álcool.

Durante a operação "moto", a GNR detetou 315 contraordenações, das quais 172 por excesso de velocidade, 31 por condução com uma taxa de álcool no sangue superior ao permitido por lei, 13 por falta de seguro e sete por falta ou incorreta utilização do capacete.

No domingo, cerca de mil militares da GNR reforçaram a fiscalização aos motociclos nas estradas com maior intensidade de tráfego destes veículos e onde há um risco acrescido de acidentes.

A operação teve como objetivo proporcionar aos utentes das vias uma maior segurança e sensibilizar os motociclistas para uma condução responsável. 

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.