sicnot

Perfil

País

Consumo de drogas desceu nas cadeias mas dois terços usam

O consumo de drogas nas cadeias decresceu no ano passado mas mesmo assim atinge dois terços dos detidos, segundo o Inquérito Nacional sobre Comportamentos Aditivos em Meio Prisional, que compara dados de 2001, 2007 e 2014.

Apresentada pelo senador liberal Juan Manuel Galán, a proposta foi considerada pelo chefe de Estado colombiano como "um passo na direção certa".

Apresentada pelo senador liberal Juan Manuel Galán, a proposta foi considerada pelo chefe de Estado colombiano como "um passo na direção certa".

© David McNew / Reuters

Os dados do Inquérito (o terceiro) foram hoje divulgados pelo  Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD) e indicam que há uma tendência de queda de consumos de substâncias como heroína, cocaína ou cannabis se comparado com os inquéritos anteriores, mas um aumento se forem tidas em conta toda as drogas.

Com base num questionário aplicado a 20 por cento dos reclusos e abrangendo 47 das 49 prisões, o documento explica que há um aumento das declarações de consumo na população reclusa, 69,1 por cento, quando em 2007 era 63,6 por cento e em 2001 era 65,7%.

Este aparente contrassenso, explica-se no documento, deve-se ao facto de no inquérito de 2001 se especificarem sete substâncias e no do ano passado estarem 18. Pode-se concluir "que o aumento dos consumos é alavancado pelo consumo de novas substâncias integradas no questionário", como os cogumelos e outros alucinogénios, buprenorfina e esteroides, o que denuncia "alterações nos padrões de consumo".

Sem alteração está a tendência de decréscimo de consumo por via injetável na prisão, passando de 11,3 por cento em 2001 para 3,1% em 2007 e para 1,1% no ano passado.

E acrescenta-se no inquérito: "80,2 por cento dos reclusos/as consumidores/as de alguma substância declaram já ter consumido alguma vez na vida cannabis, 56,2% cocaína, 38,1% heroína e 27,6% ecstasy, o que representa descidas em todas estas substâncias por referência a 2001 e 2007".

As prevalências de consumo ao longo da vida (alguma vez na vida) são muito mais expressivas entre os presos do que na população em geral mas as tendências de descida de consumos nas cadeias acompanham as tendências gerais, diz o Inquérito, que salienta um aumento de consumo de substâncias psicoativas entre as mulheres.

Dentro das prisões -- acrescenta-se também -- consome-se especialmente cannabis (pelo menos alguma vez), com 18,8 por cento, hipnóticos/sedativos (6,4%), heroína (5,3%) e cocaína (5,1).

Ainda que haja um decréscimo de infeções por HIV (quer no número total de seropositivos quer de seropositivos consumidores), 1,8% dos reclusos disse já ter partilhado agulhas/seringas alguma vez na prisão, 79,8% disse nunca ter usado preservativo em visitas intimas e 72,1% disse nunca ter usado noutros contextos (um retrocesso relativamente a 2001 e 2007).

O inquérito tem ainda dados sobre o consumo de tabaco e bebidas alcoólicas, concluindo que 65,2% dos inquiridos declarou já ter fumado, valor muito mais elevado do que na população em geral (46,2). Mais de metade dos detidos diz fumar na prisão.

Já quanto a bebidas alcoólicas, se 63 por cento diz que já bebeu ao longo da vida apenas 16 por cento diz ter consumido na cadeia (entrada dessas bebidas é mais difícil).

E um terço dos inquiridos admite ter jogado a dinheiro alguma vez, sendo que na prisão o dinheiro envolvido é superior. Dois terços dos que dizem jogar continuam a prática dentro da cadeia.

O Inquérito foi feito em articulação com a Direção-Geral da Reinserção e Serviços Prisionais e realizado pelo Centro Interdisciplinar de Estudos de Género do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Foi feito em outubro de 2014.


Lusa
  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.