sicnot

Perfil

País

Parlamento discute hoje alterações à lei do aborto

A Assembleia da República discute hoje dois projetos de lei sobre a Interrupção Voluntária da Gravidez (IVG), um da maioria PSD/CDS-PP para terminar a isenção de taxas moderadoras, e a iniciativa legislativa de cidadãos "pelo direito a nascer".

(Lusa/ Arquivo)

PSD e CDS-PP vão apresentar um requerimento para que as duas iniciativas legislativas sobre a IVG que são discutidas e poderiam ser votadas na generalidade na sexta-feira baixem às comissões parlamentares respetivas sem essa primeira votação, disse à Lusa o vice-presidente da bancada social-democrata Hugo Soares.

Desta forma, a votação final global que vier a acontecer posteriormente versará já os textos finais após o trabalho de especialidade.

Contactada pela Lusa, Isilda Pegado, da comissão de cidadãos que promoveu a iniciativa legislativa, disse não ter pessoalmente nenhuma objeção à baixa à comissão sem votação, já que "a iniciativa legislativa de cidadãos prossegue o seu caminho".

O projeto da maioria visa equiparar a IVG aos outros atos médicos e aplicar taxas moderadoras seguindo o regime geral, ao passo que a iniciativa legislativa de cidadãos propõe diversas medidas, como mostrar à mulher e fazê-la assinar uma ecografia antes da IVG, e também o fim da "equiparação entre maternidade e IVG" para efeitos de prestações sociais e taxas moderadoras.

A conferência de líderes parlamentares tinha decidido no dia 17 de junho não agendar a discussão desta iniciativa legislativa de cidadãos, propondo que transitasse para a legislatura seguinte, o que foi decidido com o acordo de todos os partidos.

O presidente da Assembleia em exercício na altura, Guilherme Silva (Assunção Esteves estava em visita oficial à Guiné-Bissau) ficou incumbido de comunicar aos proponentes, explicando-lhes que a iniciativa caducava caso fosse discutida na generalidade e depois o processo legislativo não fosse concluído na especialidade e com votação final global.

Sem iniciar a votação em plenário, poderia ser discutido na legislatura seguinte, explicou na altura o porta-voz da conferência de líderes, Duarte Pacheco (PSD).

A Rádio Renascença noticiou depois que a presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, tinha-se comprometido com a discussão desta iniciativa e ficou desagradada com a tentativa de adiamento, tendo-se desdobrado em contactos nos últimos dias para tentar garantir que fosse debatida até às férias.

 

 

Lusa

  • Marcelo e Costa unidos contra contagem do tempo integral de serviço
    2:45

    País

    Em menos de 24 horas, o Presidente da República e o primeiro-ministro deram publicamente sinais de que estão unidos contra a contagem de todo o tempo de serviço de professores e outros agentes do Estado para efeitos salariais. Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa disseram que essa possibilidade é uma ilusão e que o país não tem condições para voltar aos níveis anteriores à crise.

  • Estudante português desaparecido no mar Báltico

    País

    Um jovem português de 21 anos desapareceu na segunda-feira, dia 13 de novembro, enquanto fazia uma viagem de cruzeiro entre a cidade finlandesa de Helsínquia e a capital da Suécia, Estocolmo. As autoridades locais fizeram buscas na madrugada em que Diogo Penalva caiu ao mar Báltico, por volta das duas da manhã.

  • Paris inaugura primeiro restaurante naturista

    Mundo

    Para entrar, é preciso retirar a roupa e apenas as mulheres podem permanecer calçadas. O primeiro restaurante naturista de Paris abriu em novembro para responder a uma necessidade em França, principal destino do mundo para os praticantes de nudismo.

  • Político indiano oferece 1,3 milhões por decapitação de atriz

    Mundo

    Deepika Padukone é uma das personagens principais do filme que retrata a relação entre uma rainha hindu e um governante muçulmano. O filme enfureceu um político do Governo indiano, que ofereceu 1,3 milhões de euros como recompensa a quem decapitasse a atriz. A polícia já destacou agentes para proteger a atriz, bem como a sua família.