sicnot

Perfil

País

Candidaturas ao ensino superior arrancam a 20 de julho

As candidaturas à primeira fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior arrancam no dia 20 de julho e decorrem até 7 de agosto, segundo um despacho publicado na terça-feira, ao final dia, em Diário da República.

LUSA

De acordo com o despacho da Direção-Geral do Ensino Superior (DGES), os resultados da primeira fase serão conhecidos um mês após o fim das candidaturas, com a divulgação das listas a 7 de setembro.

Uma semana antes de se iniciarem as candidaturas à primeira fase do concurso nacional de acesso, a 13 de julho, serão conhecidas as notas da primeira fase de exames nacionais.

O despacho indica ainda que a segunda fase de candidaturas ao ensino superior decorre de 07 a 18 de setembro, com os resultados a serem conhecidos a 24 de setembro.

Este ano inscreveram-se para a primeira fase dos exames nacionais 157.264 alunos, menos 1.302 do que no ano anterior.

Em 2014 registaram-se 42.455 candidaturas à primeira fase do ensino superior, quase mais duas mil do que as apresentadas na mesma fase do concurso nacional de acesso em 2013.

O ano passado foi o primeiro desde 2008 em que se registou um aumento do número de candidaturas ao ensino superior.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.