sicnot

Perfil

País

Tribunal de Braga condena a 22 anos de prisão homem que incendiou mulher

O Tribunal Judicial de Braga condenou esta quinta-feira a 22 anos de prisão um homem que regou a mulher com álcool e lhe pegou fogo, provocando-lhe a morte.

(Arquivo)

(Arquivo)

SIC

O crime ocorreu a 18 de agosto de 2014, no prédio onde o casal vivia, em Braga, tendo a vítima morrido 44 dias depois, no hospital.

O arguido foi condenado pelos crimes de homicídio qualificado e de violência doméstica.

A juíza presidente do coletivo sublinhou que a atuação do arguido foi "muito para além da maldade e da mesquinhez humana", enquadrando-a "no âmbito do diabólico".

O tribunal destacou a "frieza afetiva", o "calculismo" e o "distanciamento emocional" revelados pelo arguido, que regou a mulher com quem esteve casado durante 32 anos, na presença da filha do casal.

O acórdão alude ainda ao facto de, após cometer o crime, o arguido se ter sentado à mesa para "calmamente" tomar o pequeno-almoço.

A vítima, Adélia Ribeiro, de 50 anos e funcionária do Hospital de Braga, ficou com cerca de 30 por cento do corpo queimado, tendo sofrido queimaduras de 2.º e 3.º graus na cabeça, abdómen e braços. 

Acabou por morrer 44 dias depois, no hospital, onde esteve internada em coma induzido.

Em tribunal, o arguido admitiu que agiu por ciúmes, por suspeitar que a mulher tinha um outro relacionamento, mas sublinhou que apenas lhe queria "queimar o cabelo" e, assim, "pregar-lhe um susto".

Disse que, pelo menos desde 2012, a mulher trocava muitas mensagens e telefonemas, alegadamente com um médico do Hospital de Braga.

"Chamadas e mensagens ao fim de semana penso que não é trabalho. Fiquei quase com a certeza de que ela tinha outro alguém", acrescentou.

Segundo o tribunal, o arguido, no dia anterior ao crime, foi comprar um frasco de álcool e um isqueiro, que utilizou para pegar fogo à mulher.

O tribunal deu ainda como provados episódios anteriores de violência doméstica por parte do arguido, como facadas, murros e pancadas na cabeça da mulher, nomeadamente.

O arguido alegou que o casal se agredia mutuamente e que algumas vezes foi ele que ficou ferido, adiantando que nunca apresentou queixa "por vergonha".

O nome de Adélia Ribeiro foi entretanto atribuído a uma rua da cidade de Braga, na sequência de um desafio lançado pelo jornal "i" aos vários municípios do país para homenagear as vítimas de violência doméstica.

 Na leitura do acórdão, a juíza presidente sublinhou que os crimes em apreço têm "crescido substancialmente" nos últimos anos, aludindo, nomeadamente, às 42 mulheres que em 2014 morreram em Portugal "às mãos" dos maridos ou companheiros.

"Na última década, em média, morreram quase 40 mulheres por ano em Portugal vítimas destes crimes", disse ainda, para vincar a necessidade de penas exemplares para tratar a crescente "banalização" do desrespeito pela vida. 

Lusa

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.