sicnot

Perfil

País

Tribunal de Braga condena a 22 anos de prisão homem que incendiou mulher

O Tribunal Judicial de Braga condenou esta quinta-feira a 22 anos de prisão um homem que regou a mulher com álcool e lhe pegou fogo, provocando-lhe a morte.

(Arquivo)

(Arquivo)

SIC

O crime ocorreu a 18 de agosto de 2014, no prédio onde o casal vivia, em Braga, tendo a vítima morrido 44 dias depois, no hospital.

O arguido foi condenado pelos crimes de homicídio qualificado e de violência doméstica.

A juíza presidente do coletivo sublinhou que a atuação do arguido foi "muito para além da maldade e da mesquinhez humana", enquadrando-a "no âmbito do diabólico".

O tribunal destacou a "frieza afetiva", o "calculismo" e o "distanciamento emocional" revelados pelo arguido, que regou a mulher com quem esteve casado durante 32 anos, na presença da filha do casal.

O acórdão alude ainda ao facto de, após cometer o crime, o arguido se ter sentado à mesa para "calmamente" tomar o pequeno-almoço.

A vítima, Adélia Ribeiro, de 50 anos e funcionária do Hospital de Braga, ficou com cerca de 30 por cento do corpo queimado, tendo sofrido queimaduras de 2.º e 3.º graus na cabeça, abdómen e braços. 

Acabou por morrer 44 dias depois, no hospital, onde esteve internada em coma induzido.

Em tribunal, o arguido admitiu que agiu por ciúmes, por suspeitar que a mulher tinha um outro relacionamento, mas sublinhou que apenas lhe queria "queimar o cabelo" e, assim, "pregar-lhe um susto".

Disse que, pelo menos desde 2012, a mulher trocava muitas mensagens e telefonemas, alegadamente com um médico do Hospital de Braga.

"Chamadas e mensagens ao fim de semana penso que não é trabalho. Fiquei quase com a certeza de que ela tinha outro alguém", acrescentou.

Segundo o tribunal, o arguido, no dia anterior ao crime, foi comprar um frasco de álcool e um isqueiro, que utilizou para pegar fogo à mulher.

O tribunal deu ainda como provados episódios anteriores de violência doméstica por parte do arguido, como facadas, murros e pancadas na cabeça da mulher, nomeadamente.

O arguido alegou que o casal se agredia mutuamente e que algumas vezes foi ele que ficou ferido, adiantando que nunca apresentou queixa "por vergonha".

O nome de Adélia Ribeiro foi entretanto atribuído a uma rua da cidade de Braga, na sequência de um desafio lançado pelo jornal "i" aos vários municípios do país para homenagear as vítimas de violência doméstica.

 Na leitura do acórdão, a juíza presidente sublinhou que os crimes em apreço têm "crescido substancialmente" nos últimos anos, aludindo, nomeadamente, às 42 mulheres que em 2014 morreram em Portugal "às mãos" dos maridos ou companheiros.

"Na última década, em média, morreram quase 40 mulheres por ano em Portugal vítimas destes crimes", disse ainda, para vincar a necessidade de penas exemplares para tratar a crescente "banalização" do desrespeito pela vida. 

Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.