sicnot

Perfil

País

GNR prende 179 pessoas no fim-de-semana, maioria por álcool

Quase 200 pessoas foram detidas pela GNR só no passado fim-de-semana, a grande maioria por conduzir alcoolizada, informou hoje a corporação em comunicado

(SIC/ Arquivo)

No decorrer das operações do fim-de-semana, em quase todo o país, foram detidas precisamente 179 pessoas, 126 por condução sob efeito de álcool, 28 por condução sem carta, cinco por tráfico de estupefacientes e duas por posse de armas proibidas.

Foram ainda detidas mais duas pessoas por furto e mais uma por violência doméstica.

Na mesma altura, segundo o comunicado, foram apreendidas 2.585 doses de haxixe, 37 de cocaína, 10 de heroína, 12 pés de cannabis, três armas de fogo, duas armas brancas, dois automóveis e mais de mil euros em dinheiro.

A GNR fiscalizou 7.879 condutores e detetou 2.447 infrações, a maior parte excessos de velocidade.

No âmbito de uma denominada operação "Moto" a GNR intensificou de sexta-feira a domingo a fiscalização de motociclos, tendo detido 17 condutores. A falta de carta e o excesso de álcool foram as principais causas.

Segundo também um comunicado da GNR foram fiscalizados 5.078 motociclistas. Foram detetados 38 com deficiente iluminação e sinalização, 30 sem seguro e noutros oito falta ou incorreta posição do capacete.

Lusa

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.