sicnot

Perfil

País

Arrancam hoje as candidaturas ao ensino superior

A 1.ª fase de acesso ao ensino superior arranca hoje com 50.555 vagas disponíveis para 1.048 cursos em universidades e politécnicos públicos, iniciando-se a entrega de candidaturas através do portal da Direção-Geral do Ensino Superior (DGES).

ASSOCIATED PRESS

O processo de candidaturas que hoje arranca decorre até 7 de agosto, e os resultados do concurso vão ser divulgados um mês depois, a 07 de setembro, no portal da DGES.

De acordo com os dados disponibilizados pela DGES, há este ano menos 265 vagas no ensino superior público na 1.ª fase do concurso nacional de acesso, face às 50.820 de 2014, uma redução em termos percentuais inferior a 1%.

O número de vagas para aceder aos cursos superiores públicos está em queda desde 2012, depois de em 2011 se ter atingido um pico de oferta com 53.500 vagas levadas a concurso.

A quebra no número de vagas tem sido acompanhada pela quebra no número de candidatos, uma tendência que apenas mostrou sinais de inversão no ano passado, o primeiro desde 2008 a registar um aumento nas candidaturas, com 42.455 estudantes a tentar aceder ao ensino superior na 1.ª fase.

Em 2015, 28.242 vagas (56%) são para cursos nas universidades e 22.313 (44%) para cursos nos institutos superiores politécnicos, uma distribuição entre os dois subsistemas que se tem mantido estável nos últimos 15 anos.

As colocações na 1.ª fase de 2014 deixaram apenas por preencher 13.168 vagas, menos 1.008 do que em 2013.

Os candidatos ao ensino superior que não consigam um lugar nas universidades e politécnicos nesta fase, terão ainda a hipótese de se candidatar na 2.ª e 3.ª fases.

Os candidatos podem encontrar informação estatística sobre os cursos no portal Infocursos em http://infocursos.mec.pt/.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.