sicnot

Perfil

País

Mais de 400 cursos curtos estão já registados para arrancar em 2015-2016

Mais de 400 cursos de Técnicos Superiores Profissionais estão já aprovados para arrancar no próximo ano letivo, mas o número pode superar os 500 se forem aprovados todos os que aguardam pareceres ou precisam de prestar mais informação.

reuters

"A Direção-Geral do Ensino Superior aprovou até à presente data 409 cursos Técnicos Superiores Profissionais (TeSP), o que permitirá acolher já no próximo ano letivo até 12 848 alunos", informou hoje o Ministério da Educação e Ciência (MEC), em comunicado.

Os TeSP, que arrancaram em 2014-2015, com 99 cursos registados, ministrados maioritariamente em institutos superiores politécnicos, são cursos superiores mais curtos, com a duração de dois anos, e não conferentes de grau académico, com uma forte componente de formação profissional e em contexto de trabalho, com estágios em empresas com as quais as instituições celebram protocolos.

"Para o funcionamento destes cursos já autorizados [409] foram celebrados protocolos com 5.516 empresas e organismos que asseguram a formação em contexto de trabalho, proporcionando um estágio na respetiva área do curso a um universo de 15.500 alunos. Os cursos, de 47 áreas de educação e formação, serão ministrados por 48 instituições de ensino superior, sendo que 76% dos cursos pertencem a instituições de ensino superior públicas e 24% a instituições de ensino superior privadas", adiantou a tutela.

Há ainda 43 cursos com pedido de registo submetido à Direção-Geral do Ensino Superior (DGES) para os quais os serviços do MEC pediram informação complementar relativa às propostas apresentadas, outros 43 cursos que aguardam "pareceres das entidades reguladoras das profissões", e 44 cursos "prontos a ser registados nos próximos dias".

"Por esse motivo, o número de cursos registados, de alunos a abranger e de empresas envolvidas virá ainda a subir", esclarece a tutela.

O MEC recorda, em comunicado, que os alunos destes cursos podem também eles candidatar-se a bolsas de estudo, tendo direito a "beneficiar dos restantes recursos disponibilizados pelos serviços de ação social da respetiva instituição de ensino superior".

As candidaturas devem ser apresentadas diretamente à instituição, a qual define as regras dos concursos de admissão aos cursos, que devem ter propinas de valor inferior ao das licenciaturas.

Os TeSP foram criados para dar resposta às necessidades de especialização do mercado de trabalho, e pretendem ser uma via de continuação de estudos superiores para quem já tenha optado no ensino secundário pela via profissional.

Estes alunos não ficam, no entanto, excluídos do acesso a licenciaturas, podendo prosseguir estudos académicos se assim o entenderem.

O Governo definiu como objetivo ter 35 mil diplomados por estes cursos até 2020.

Lusa

  • Famílias das vítimas de Pedrógão criam associação para apurar responsabilidades
    2:13
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15