sicnot

Perfil

País

Ministro Poiares Maduro abandona a política no final da legislatura

O ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional, Miguel Poiares Maduro, disse hoje à agência Lusa que vai abandonar a política no final da legislatura e regressar à carreira académica no estrangeiro.

Ministro adjunto e do Desenvolvimento Regional,  Miguel Poiares Maduro (Lusa)

Ministro adjunto e do Desenvolvimento Regional,  Miguel Poiares Maduro (Lusa)

JOSE SENA GOULAO

"Por razões contratuais e também da natureza de uma carreira académica internacional, não era compatível continuar na política agora", disse Miguel Poiares Maduro, reafirmando que sempre disse que pretendia ter uma carreira profissional independente da política.

"Não regressar [à universidade] seria, de facto, abandonar a minha carreira académica internacional. Isso inverteria a relação que quero ter entre a política e a minha carreira profissional e que, aliás, sempre afirmei em inúmeras ocasiões", adiantou.

Poiares Maduro entrou para o executivo do primeiro-ministro Pedro Passos Coelho em abril de 2013.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.