sicnot

Perfil

País

Ministro Poiares Maduro abandona a política no final da legislatura

O ministro Adjunto e do Desenvolvimento Regional, Miguel Poiares Maduro, disse hoje à agência Lusa que vai abandonar a política no final da legislatura e regressar à carreira académica no estrangeiro.

Ministro adjunto e do Desenvolvimento Regional,  Miguel Poiares Maduro (Lusa)

Ministro adjunto e do Desenvolvimento Regional,  Miguel Poiares Maduro (Lusa)

JOSE SENA GOULAO

"Por razões contratuais e também da natureza de uma carreira académica internacional, não era compatível continuar na política agora", disse Miguel Poiares Maduro, reafirmando que sempre disse que pretendia ter uma carreira profissional independente da política.

"Não regressar [à universidade] seria, de facto, abandonar a minha carreira académica internacional. Isso inverteria a relação que quero ter entre a política e a minha carreira profissional e que, aliás, sempre afirmei em inúmeras ocasiões", adiantou.

Poiares Maduro entrou para o executivo do primeiro-ministro Pedro Passos Coelho em abril de 2013.

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.