sicnot

Perfil

País

Ferido grave em queda de asa delta em Mira encontra-se estável

O cidadão francês que, no domingo, sofreu ferimentos graves na queda de uma asa delta com motor na praia do Poço da Cruz, a norte da povoação da Praia de Mira, Coimbra, está estável, disse à Lusa fonte hospitalar.

No local estiveram os bombeiros voluntários de Mira, uma viatura médica de emergência e reanimação (VMER) e uma ambulância de Suporte Imediato de Vida (SIV) do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e meios da Capitania do Porto de Aveiro, num total de 21 operacionais e dez veículos.

No local estiveram os bombeiros voluntários de Mira, uma viatura médica de emergência e reanimação (VMER) e uma ambulância de Suporte Imediato de Vida (SIV) do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e meios da Capitania do Porto de Aveiro, num total de 21 operacionais e dez veículos.

SIC

Fonte do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) disse que a vítima foi internada politraumatizada e se encontra "hemodinamicamente estável", não adiantando mais pormenores sobre o seu estado de saúde.

O acidentado, com cerca de 25 anos de idade, era um dos ocupantes da asa delta, que caiu domingo no areal, junto ao mar, cerca das 17:00, e provocou a morte a um homem de 48 anos, português, emigrante em França, com residência na Praia de Mira.

No local estiveram os bombeiros voluntários de Mira, uma viatura médica de emergência e reanimação (VMER) e uma ambulância de Suporte Imediato de Vida (SIV) do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e meios da Capitania do Porto de Aveiro, num total de 21 operacionais e dez veículos.

Lusa

  • Cinco mortos provocados pelo tufão Hato em Macau
    1:13
  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.