sicnot

Perfil

País

Vila Nova de Cerveira pede apoio à população no combate à vespa asiática

A Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira apelou hoje à colaboração da população no combate à vespa asiática, sendo que no concelho, desde o início do ano, foram destruídos 21 ninhos daquela espécie invasora.

(Reuters/Arquivo)

(Reuters/Arquivo)

© Regis Duvignau / Reuters

"A Câmara relembra o papel fundamental de todos os munícipes na referenciação de ninhos desta espécie invasora", lê-se no comunicado emitido hoje por aquela autarquia do Alto Minho onde sublinhou que "até outubro, se irão registar mais avistamentos" de vespa velutina, como também é conhecida, maior e mais agressiva do que a espécie autóctone nacional.

Segundo números avançados pela Câmara Municipal, "entre abril e julho deste ano, foram destruídos no concelho um total de 21 ninhos, em localizações tão distintas como ramos de árvore, telhados e paredes de cimento".

Uma operação desencadeada na sequência de "todas as denúncias reportadas ao Município, que agiu dotado dos meios necessários para uma extinção imediata".

"Embora não se conheça ainda o verdadeiro impacto que a invasão desta espécie invasora na apicultura, na fruticultura ou na viticultura do concelho sabe-se que é uma espécie que se adaptou tremendamente bem ao clima e geografia da região, e que neste momento, a sua multiplicação e propagação tem sido exponencial, ultrapassando mesmo as piores previsões", sustentou a autarquia.

Na nota hoje enviada o município adiantou "as ações de controlo desta espécie invasora" que tem vindo a dinamizar, "nomeadamente 'workshops' de demonstração de fabrico de armadilhas para captura de vespas fundadoras de colónias".

A autarquia explicou que os munícipes poderão reportar os avistados daquela espécie junto dos serviços camarários ou, "diretamente na plataforma www.sosvespa.pt, onde qualquer utilizador se pode registar e incluir informação válida".

A destruição ocorre sempre quando cai a noite, período em que as vespas fundadoras estão no interior das colmeias.

Dados da Associação Apícola Entre Minho e Lima (APIMIL) indicam que cada ninho pode albergar até 2.000 vespas e 150 fundadoras de novas colónias, que no ano seguinte poderão vir a criar pelo menos 6 novos ninhos.

Segundo os apicultores, esta espécie, "mais agressiva", faz com que as abelhas não saiam para procurar alimento por estarem sob ataque, enfraquecendo as colmeias, que acabam por morrer colocando em causa a produção de mel.

Esta espécie predadora foi introduzida na Europa através do porto de Bordéus, em França, em 2004.

Os primeiros indícios da sua presença em Portugal surgiram em 2011, mas a situação só se agravou a partir no final do seguinte. Viana do Castelo, capital do Alto Minho é o concelho com maior número de casos registados. Em dois anos foram sinalizados 619 ninhos de vespa asiática. De acordo com números dos Bombeiros Municipais de Viana, até outubro foram destruídos mais de 400.

Lusa

  • "O euro como o conhecemos é uma construção imperfeita"
    1:26

    Economia

    O primeiro-ministro diz que o euro como o conhecemos é uma construção imperfeita e que sem regras iguais para todos não é possível a reforma da moeda única. As declarações de António Costa foram feitas esta terça-feira, em Lisboa, numa conferência intitulada de "Consolidar o Euro. Promover a Convergência".

  • "A Miss Helsínquia é a mulher mais feia que já vi num concurso de beleza"

    Mundo

    Sephora Lindsay Ikabala venceu o concurso Miss Helsínquia 2017 e, desde então, tem vindo a ser insultada e criticada nas redes sociais. A nigeriana de 19 anos vive na cidade desde criança. "A Miss Helsínquia é literalmente a mulher mais feia que já vi num concurso de beleza", é apenas um dos muitos comentários que circula nas redes sociais.

  • As propostas Chanel para a próxima estação
    1:34

    Mundo

    Um dos desfiles mais aguardados do mundo da moda aconteceu esta segunda-feira, em Paris, com as propostas da casa Chanel para a próxima estação primavera/verão. No final do desfile, e pela primeira vez em 30 anos, Karl Lagarfeld não deu nenhuma entrevista à comunicação social.