sicnot

Perfil

País

Sindicato diz que Governo da Madeira admite contratar mais 70 enfermeiros

O presidente do Sindicato dos Enfermeiros da Madeira, Juan Carvalho, revelou hoje, no Funchal, que a Secretaria Regional da Saúde admite contratar, a médio prazo, 70 enfermeiros para "suprir carências imediatas".

(Arquivo)

(Arquivo)

Reuters

O sindicalista realçou que são necessários mais 400 enfermeiros no Serviço Regional de Saúde (SESARAM), mas ficou satisfeito com o compromisso assumido pelo secretário regional Manuel Brito, durante uma reunião de trabalho, de contratar pelo menos 70 profissionais a médio prazo.

Juan Carvalho anunciou também que o Governo madeirense está disposto a "desenvolver todos os mecanismos" para proceder à harmonização salarial dentro da classe.

"Há esta ideia e esta preocupação da Secretaria [da Saúde] de admitir, pelo menos, sete dezenas de enfermeiros para suprir as carências mais imediatas", afirmou o sindicalista, salientando que a falta de profissionais e a discrepância salarial são os problemas "mais graves" da classe na região autónoma.

Juan Carvalho disse ser inaceitável que o SESARAM tenha enfermeiros com a mesma formação e as mesmas competências a auferir salários diferentes: uns 1.040 euros, outros 1.201 euros ou mais.

"Não faz sentido nenhum manter esta diferenciação remuneratória entre enfermeiros", vincou, enaltecendo o compromisso assumido pelo secretário da tutela de procurar resolver estes problemas.

O presidente do Sindicato dos Enfermeiros da Madeira lembrou que o número de profissionais afetos a SESARAM passou de 2.200 em 2007, para 1.482 na atualidade.

"Esta grave carência de enfermeiros já põe em causa o normal funcionamento dos serviços, a segurança e a qualidade dos cuidados de enfermagem prestados", alertou, explicando que a diminuição ficou a dever-se a dois fatores: reformas e emigração.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC