sicnot

Perfil

País

Catarina Martins critica números do Governo e calcula "quase 1 milhão" de desempregados

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, criticou esta sexta-feira em Vila Nova de Milfontes, no concelho de Odemira, os números do desemprego apresentados pelo Governo, alegando que há "quase um milhão" de desempregados.

"O primeiro-ministro ganhava 7 mil euros por mês e fugiu a uma contribuição de 100 euros. Foi caloteiro para com a Segurança Social." - Catarina Martins, porta-voz do BE (02-03-2015)

"O primeiro-ministro ganhava 7 mil euros por mês e fugiu a uma contribuição de 100 euros. Foi caloteiro para com a Segurança Social." - Catarina Martins, porta-voz do BE (02-03-2015)

Lusa

"Eu bem sei que o Governo tem dito que o desemprego está a descer, o que o Governo não consegue explicar é esta coisa extraordinária de, estando a descer a taxa de desemprego, haver cada vez menos taxa de emprego em Portugal", disse Catarina Martins durante uma sessão pública que decorreu no Largo da Barbacã, em Vila Nova de Milfontes.

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE) esclareceu, explicando que, se se olhar "para o número de pessoas que estão empregadas, há muito menos hoje do que antes".

"Quando o Instituto Nacional de Estatística (INE) nos diz que há 630 mil desempregados no país, diz-nos que há 630 mil pessoas que estão a ser consideradas desempregadas", acrescentou, lembrando contudo que há mais 258 mil pessoas que são consideradas inativas", mas que "gostariam de estar empregadas", não estando no entanto "registadas nos centros de emprego".

Para o cálculo da taxa de desemprego, "essas pessoas não entram", fez questão de destacar, lembrando que a essas se juntam "as que têm saído do país", contabilizando no último ano, cerca de 134 mil emigrantes.

"Se às 636 mil pessoas que o Governo reconhece que estão no desemprego somarmos as 258 mil pessoas que o INE diz que são inativos que gostariam de ter emprego, e que não aparecem nas estatísticas, se somarmos ainda as 134 mil pessoas que abandonaram o país só no ano passado, vemos que o número de desempregados chega a quase um milhão de pessoas", argumentou.

Além do desemprego, Catarina Martins apontou também o dedo ao trabalho precário, anunciando como uma das propostas do BE a defesa do "direito ao contrato de trabalho", criticando os "estágios" financiados pelo Estado, bem como os "contratos emprego-inserção".

"Se os números do desemprego escondem a realidade brutal de um milhão de pessoas em Portugal que não tem emprego, os números do emprego escondem também a realidade brutal de uma qualidade de emprego que vem a cair", alertou, alegando que basta "decência" para que "não haja trabalho que não é pago".

"É por isso que uma das primeiras propostas do BE - e para esta garanto-vos que não é preciso dinheiro, é só preciso decência -, é que todas as pessoas que estão num posto de trabalho tenham direto a um contrato e a um salário", disse.

Catarina Martins falou após Mariana Aiveca, cabeça de lista pelo círculo eleitoral de Beja nas eleições legislativas de outubro, que até aqui tem sido candidata, e eleita desde 2005, por Setúbal.

Na sessão pública, uma de várias que o partido pretende promover pelo país durante o verão, foram apresentados os vários candidatos do círculo eleitoral de Beja na lista do BE, composta por Pedro Gonçalves, de Odemira, Inês Monteiro, de Beja, Carlos Valente, de Serpa, Cristina Ferreira, de Almodôvar, e José Pedro, de Beja.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC