sicnot

Perfil

País

Portugal envia ajuda para combater fogo florestal na Extremadura espanhola

Portugal vai enviar mais de 100 operacionais e 30 veículos para ajudar no combate ao fogo florestal que lavra há três dias sem controlo na província espanhola da Extremadura e já obrigou à retirada de quase 2.500 pessoas.

Sierra de Gata, Espanha.

Sierra de Gata, Espanha.

MINISTRY OF AGRICULTURE / HANDOU

Vai sair de Portugal "uma coluna nacional da base de apoio logístico de Castelo Branco, composta por três grupos de combate a incêndios florestais com mais de 100 operacionais e mais de 30 veículos", disse à Lusa fonte da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC).

O fogo, que deflagrou na quinta-feira na Sierra de Gata, já consumiu mais de 6.500 hectares e é combatido por centenas de bombeiros de várias regiões de Espanha, apoiados por 16 helicópteros e aviões de combate a incêndios.

Cerca de 1.000 habitantes da aldeia de Hoyos foram retirados hoje de manhã das suas casas, juntando-se aos cerca de 1.400 retirados na sexta-feira de outras duas aldeias próximas, informou hoje o governo regional da Extremadura (oeste) num comunicado.

"O vento atiçou as chamas e fez alastrar o fogo, obrigando à evacuação de Hoyos devido sobretudo ao fumo", disse um responsável local da Cruz Vermelha, José López Santana, à rádio pública.

A causa do incêndio ainda não foi apurada, mas, segundo o chefe do governo regional, Guillermo Fernández Vara, "tudo parece indicar" para origem criminosa.

"Quando um fogo se concentra numa área muito específica é porque houve alguma intervenção humana porque não é mais quente e seco na Sierra de Gata que no resto da Extremadura", disse.

Segundo os bombeiros, o vento forte e em constante mudança de direção está a dificultar o combate, assim como a condensação do fumo.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.