sicnot

Perfil

País

GNR intensifica fiscalização ao uso do cinto de segurança e telemóvel na quarta-feira

A GNR intensifica, na quarta-feira, em todo o país, a fiscalização ao uso do cinto de segurança, cadeirinhas para crianças e do telemóvel durante a condução, indicou hoje a corporação.

Para a operação, denominada "Anjo da Guarda", vão estar mobilizados 1.000 militares dos comandos territoriais e da Unidade Nacional de Trânsito, que vão realizar 470 ações de fiscalização, adianta a GNR, em comunicado.

Segundo a Guarda Nacional Republicana, as ações de fiscalização vão estar direcionadas para as vias situadas no interior das localidades e estradas nacionais, regionais e municipais, onde as infrações, por falta de cinto de segurança e cadeirinhas para crianças e uso do telemóvel, são mais frequentes.

A GNR registou, desde o início do ano e até ao dia 10 de agosto, 18.697 infrações por uso indevido de telemóvel durante a condução, 19.880 por incorreta ou não utilização do cinto de segurança e 1.427 pela falta dos sistemas de retenção para crianças.

Perante estes números, a GNR salienta que vai realizar, este ano, diversas operações de cariz preventivo, com o objetivo de alertar os condutores para os riscos associados a estas infrações, principalmente da incorreta ou não utilização do cinto de segurança e das cadeirinhas para crianças, tendo em conta que estão associadas às principais causas de agravamento das lesões provocadas em caso de acidente.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.