sicnot

Perfil

País

PJ investiga incêndio em São Mamede de Infesta

PJ investiga incêndio em São Mamede de Infesta

Mais de 130 bombeiros de Matosinhos e dos concelhos limítrofes combateram um incêndio num armazém na zona industrial de São Mamede da Infesta. Não houve feridos mas o caso está a ser investigado pela Polícia Judiciária.

O incêndio de grandes dimensões que deflagrou na segunda-feira à noite num armazém da zona industrial de São Mamede de Infesta, em Matosinhos, está dominado, mas ainda não entrou na fase de rescaldo, disse à Lusa fonte do CDOS.

"Não há perigo de alastrar a outros edifícios vizinhos, porque o fogo está circunscrito desde cerca das 01:00 ao armazém, que ficou totalmente destruído", disse a fonte do Centro Distrital de Operações de Socorro (CDOS), sublinhando que "dois bombeiros tiveram de receber assistência médica devido a entorses".

De acordo com a mesma fonte, no local mantém-se praticamente os mesmos meios, com 146 homens, auxiliados por 48 viaturas, tendo-se já efetuado um reforço com mais três viaturas de reabastecimento de água.

O comandante dos Bombeiros de São Mamede de Infesta, Gilberto Gonçalves, disse, no local, em declarações transmitidas em direto pelas televisões, que o incêndio, com início registado às 22:18 de segunda-feira foi circunscrito às várias áreas e estruturas da empresa de logística ali situada, diminuindo assim o risco de propagação a outros imóveis.

Gilberto Gonçalves admitiu, que face os produtos muitos inflamáveis ali existentes, como pneus e cartão, a "operação será muito morosa".

O operacional dos bombeiros de Matosinhos sublinhou que a Polícia Judiciária já se encontra no local para investigar as causas da ignição deste "incêndio de proporções gigantescas".

Antes destas declarações, a vereadora da Proteção Civil da Câmara de Matosinhos, Lurdes Queirós, disse à agência Lusa que a "grande preocupação" era precisamente "circunscrever o incêndio" de grandes dimensões, que tem "uma carga térmica muito elevada".

Também na segunda-feira, um outro incêndio numa fábrica de rolhas de cortiça no mesmo concelho, Matosinhos, causou cinco feridos, um dos quais em estado grave, com queimaduras de segundo e terceiro grau.

Com Lusa

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras

  • Greve na Função Pública vai afetar escolas, saúde e cultura

    País

    A greve nacional convocada para sexta-feira pela Federação Nacional dos Sindicatos da Função Pública (FNSTFPS) deverá afetar as escolas, a área da saúde e ainda da cultura, entre outros serviços, afirmou esta quarta-feira a dirigente sindical, Ana Avoila.

  • Marcelo comenta comparação de Centeno a Ronaldo

    País

    O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, comentou esta quarta-feira a comparação que o ministro das Finanças alemão terá feito entre Mário Centeno e Ronaldo, considerando que "quem quer que disse isso, por uma vez não pensou mal".