sicnot

Perfil

País

PJ investiga incêndio em São Mamede de Infesta

PJ investiga incêndio em São Mamede de Infesta

Mais de 130 bombeiros de Matosinhos e dos concelhos limítrofes combateram um incêndio num armazém na zona industrial de São Mamede da Infesta. Não houve feridos mas o caso está a ser investigado pela Polícia Judiciária.

O incêndio de grandes dimensões que deflagrou na segunda-feira à noite num armazém da zona industrial de São Mamede de Infesta, em Matosinhos, está dominado, mas ainda não entrou na fase de rescaldo, disse à Lusa fonte do CDOS.

"Não há perigo de alastrar a outros edifícios vizinhos, porque o fogo está circunscrito desde cerca das 01:00 ao armazém, que ficou totalmente destruído", disse a fonte do Centro Distrital de Operações de Socorro (CDOS), sublinhando que "dois bombeiros tiveram de receber assistência médica devido a entorses".

De acordo com a mesma fonte, no local mantém-se praticamente os mesmos meios, com 146 homens, auxiliados por 48 viaturas, tendo-se já efetuado um reforço com mais três viaturas de reabastecimento de água.

O comandante dos Bombeiros de São Mamede de Infesta, Gilberto Gonçalves, disse, no local, em declarações transmitidas em direto pelas televisões, que o incêndio, com início registado às 22:18 de segunda-feira foi circunscrito às várias áreas e estruturas da empresa de logística ali situada, diminuindo assim o risco de propagação a outros imóveis.

Gilberto Gonçalves admitiu, que face os produtos muitos inflamáveis ali existentes, como pneus e cartão, a "operação será muito morosa".

O operacional dos bombeiros de Matosinhos sublinhou que a Polícia Judiciária já se encontra no local para investigar as causas da ignição deste "incêndio de proporções gigantescas".

Antes destas declarações, a vereadora da Proteção Civil da Câmara de Matosinhos, Lurdes Queirós, disse à agência Lusa que a "grande preocupação" era precisamente "circunscrever o incêndio" de grandes dimensões, que tem "uma carga térmica muito elevada".

Também na segunda-feira, um outro incêndio numa fábrica de rolhas de cortiça no mesmo concelho, Matosinhos, causou cinco feridos, um dos quais em estado grave, com queimaduras de segundo e terceiro grau.

Com Lusa

  • GNR só teve acesso às imagens das agressões em Alcochete 12 horas depois
    1:42

    Crise no Sporting

    A GNR não pôde visionar as imagens de videovigilância da Academia de Alcochete logo que chegou ao local. O sistema estava inoperacional, o que fez com que as imagens só fossem entregues quase 12 horas depois do ataque à equipa do Sporting. Entre as provas recolhidas, estão também impressões digitais e vestígios de sangue encontrados na zona do balneário.

  • Juiz considera que agressões em Alcochete foram "ato terrorista"
    1:59

    Crise no Sporting

    O juiz que decretou a prisão preventiva dos 23 detidos pelo ataque à Academia do Sporting considera que se tratou de um ato terrorista. Diz mesmo que os agressores tiveram um comportamento chocante e que perverte o espírito desportivo. Sete dos 23 detidos já foram condenados por outros crimes, mas não chegaram a pena de prisão.

  • Gonçalo Guedes: o menino franzino que jogava mais que os outros em Benavente
    8:47
  • A promessa que João Mário vai ter de cumprir se Portugal for campeão
    1:36
  • Estudo acaba com teorias da conspiração sobre a morte de Hitler

    Mundo

    Existem algumas versões sobre o desaparecimento do ditador nazi, Adolf Hitler. Há quem diga que viajou para um país da América do Sul, outros acreditam que está escondido na Antártida e há até quem vá mais longe e acredita que estaria na Lua. Mas, teorias da conspiração à parte, a história oficial diz que Hitler suicidou-se num bunker, em Berlim, Alemanha.

    SIC

  • Universidade de Coimbra não retira Honoris Causa a Lula
    3:30