sicnot

Perfil

País

SATA está a tentar trazer passageiros de avião avariado em Toronto para Portugal

A SATA International disse hoje estar a tentar arranjar soluções para fazer regressar aos Açores os passageiros do avião que teve de aterrar no aeroporto de Toronto logo após a descolagem, na segunda-feira, na sequência de uma avaria.

(Lusa/ Arquivo)

(Lusa/ Arquivo)

(Lusa/ Arquivo)

Alguns passageiros disseram hoje à agência Lusa que um avião da SATA International aterrou na segunda-feira à noite de emergência em Toronto, no Canadá, após ter sido detetado fumo vindo da cabine.

Em declarações hoje à Lusa, uma fonte da companhia disse que o avião não efetuou qualquer aterragem de emergência.

"O avião teve uma avaria técnica e, por razões de segurança, regressou ao aeroporto. Não foi declarada nenhuma aterragem de emergência. Estamos neste momento a arranjar soluções para que a viagem de regresso se efetue", explicou.

A mesma fonte da companhia esclareceu que os passageiros foram contactados pela empresa e alojados em hotéis.

"O que estamos a resolver é o voo para que as pessoas regressem aos Açores. Neste momento, não sabemos quanto tempo ainda vai demorar", salientou, acrescentando que o avião foi entregue à manutenção, que está a fazer a avaliação necessária para que o aparelho volte ao ativo.

Alguns passageiros contaram à Lusa que o avião descolou à hora normal (21:45 de Toronto, 2:45 de Lisboa) e cerca de dez minutos após a descolagem, foram informados pelo piloto de que teriam de aterrar novamente devido a um problema (elétrico).

A aeronave, um Airbus 310 - 225, transportava 192 passageiros e fazia a ligação entre Toronto, no Canadá, e Ponta Delgada, nos Açores.

Ao descolar do Aeroporto Internacional Pearson, segundo relatos de testemunhas, teve de regressar a Toronto, numa altura em que se podia sentir um "cheiro a queimado".

As equipas de emergência estavam junto ao avião após a aterragem, indicou a fonte contactada pela Lusa.

"Quando levantamos voo, senti um cheiro a queimado. Depois, disseram-nos que ia-mos regressar a Toronto, mas nunca nos explicaram concretamente qual era o problema. Esperamos algumas horas e, por fim, informaram-nos de que o voo fora cancelado", explicou Nelson Silva, de Brampton, que viajava para Ponta Delgada, nos Açores, de férias.

O passageiro também lamentou a falta de informação imediata por parte dos responsáveis da companhia aérea açoriana sobre a data do regresso a Portugal.

Lusa

  • A história de João Ricardo
    10:37
  • Parceiros sociais começam hoje debate sobre salário mínimo

    Economia

    Os parceiros sociais reúnem-se hoje com o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, para iniciarem a discussão sobre a atualização do salário mínimo para o próximo ano, com as centrais sindicais e confederações patronais a assumirem posições divergentes.Em cima da mesa estarão as propostas das centrais sindicais, com a CGTP a exigir 600 euros a partir de janeiro de 2018 e a UGT a reivindicar 585 euros como ponto de partida para a negociação.

  • Os 72 golos de mais uma noite de Liga Europa

    Liga Europa

    Os 16 avos-de-final da Liga Europa começam a ganhar forma. São já 16 as equipas apuradas para a próxima fase da competição, entre elas o Sporting de Braga, que somou mais uma vitória. Em sentido inverso, o Vitória de Guimarães saiu derrotado de Salzburgo e ficou mais longe da qualificação. A 5.ª jornada da fase de grupos jogou-se esta quinta-feira e ao todo marcaram-se 72 golos. Estão todos aqui, para ver ou rever.

  • "No fim, logo se vê" se foram quatro anos de uma legislatura perdida
    1:28

    País

    Pedro Passos Coelho acusa o Governo de perder uma legislatura. O presidente do PSD diz que "no fim, logo se vê" se foram ou não quatro anos de oportunidade perdida para o país. No último Conselho Nacional antes das eleições diretas do partido, Passos acusou o Executivo de perder o rumo e apontou os casos do Infarmed e do aumento do preço da água como exemplos de desorientação.

  • Marcelo apoia novo Mecanismo Europeu de Proteção Civil
    0:44

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa considera o novo Mecanismo de Proteção Civil uma ideia muito boa, que tem todo o apoio do Governo e do Presidente da República. Marcelo apenas lamenta que o modelo não existisse durante os incêndios deste ano.