sicnot

Perfil

País

Sampaio da Nóvoa recusa alimentar "ruído" que ponha em causa legislativas

O candidato a Presidente António Sampaio da Nóvoa afirmou hoje que não vai fazer mais declarações sobre apoios à sua candidatura por considerar que "não é bom" para as legislativas o "nível de ruído sobre essa matéria".

"Não vou fazer mais nenhum comentário, nem mais nenhuma declaração sobre questões relacionadas com as presidenciais, do apoio deste, do apoio daquele. Julgo que estamos a atingir um nível de ruído sobre essa matéria que não é bom para as mudanças de ciclo político que eu advogo para Portugal", afirmou o candidato às presidenciais de 2016, à chegada a Viana do Castelo.

Sampaio da Nóvoa, que foi à capital do Alto Minho participar no arranque da Romaria da Agonia, disse partilhar da opinião de vários dirigentes políticos que querem os portugueses concentrados nas eleições do próximo dia 4 de outubro.

"Ouvi hoje vários dirigentes políticos, desde o António Costa ao Jerónimo de Sousa e à Catarina Martins, pronunciarem-se no mesmo sentido. Estou inteiramente de acordo com isso. Concentremo-nos nas legislativas, concentremo-nos no balanço de quatro anos muito difíceis para os portugueses e tentemos encontrar um novo ciclo político em Portugal", sustentou.

Nesse sentido, garantiu que, "a partir de agora", não irá proferir "mais nenhuma declaração que tenha a ver com o apoio do 'A' ou do 'B' ou do partido tal".

"A minha candidatura é independente, lançada há muitos meses, que procura unir, juntar e eu não quero dizer rigorosamente nada que possa, de algum modo, ser entendido como uma fratura, como um elemento de fragmentação", frisou.

O candidato a Belém adiantou que as próximas legislativas são "um momento extraordinariamente importante para o futuro de Portugal e dos portugueses".

"Concentremo-nos nesse dia", apelou.

O antigo reitor da Universidade de Lisboa, com ligações a Valença, terra da família materna, sublinhou a importância das festas da Agonia pelo "ambiente de acolhimento dos emigrantes".

Na ribeira de Viana do Castelo, onde almoçou com alguns apoiantes locais, classificou a emigração como um tema "particularmente preocupante" para o país.

"O drama da emigração parece que nos assalta de décadas em décadas e, nos últimos anos, [está] a afetar jovens muito qualificados. É muito importante perceber que não é por aí o caminho de Portugal. O caminho de Portugal não é pela pobreza, não é por enviar os seus melhores para o estrangeiro, não é pelas desigualdades", realçou.

Lusa

  • Primeiro-ministro holandês liga a Costa para explicar palavras de Dijsselbloem
    2:23

    País

    António Costa pediu que Djisselbloem desaparecesse da Presidência do Eurogrupo. Após esta tomada de posição, o primeiro-ministro holandês ligou para Costa na semana passada a dar explicações. Contudo, o primeiro-ministro português não recua e volta a dizer que Dijsselbloem não tem condições para continuar, na sequência das declarações sobre copos e mulheres. Os eurodeputados do Partido Popular Europeu reforçaram também esta terça-feira o pedido de demissão.

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45

    País

    Há um surto de hepatite A em Portugal. Desde janeiro, 105 pessoas foram diagnosticadas na região de Lisboa e Vale do Tejo, um número superior aos casos contabilizados em todo o país nos últimos 40 anos. O surto terá começado na Holanda e está a atingir quase toda a Europa.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Novo vídeo do Daesh mostra crianças a treinar para matar
    3:35
  • Kennedy acreditava que Hitler estava vivo

    Mundo

    Um diário de John F. Kennedy vai a leilão em Boston, nos Estados Unidos da América. O diário foi escrito durante a sua breve carreira como jornalista, depois da 2.ª Guerra Mundial. No livro, foram expostas algumas teorias do antigo Presidente norte-americano, como a possibilidade de Hitler estar vivo.

    Ana Rute Carvalho

  • Trump propõe cortes orçamentais para pagar muro

    Mundo

    O Presidente dos Estados Unidos está a propor cortes de milhões de dólares no orçamento para que os contribuintes norte-americanos, e não o México, paguem o muro a construir na fronteira entre os dois países.

  • Tecnologia permite a tetraplégico mexer mão e braço

    Mundo

    Um homem que ficou tetraplégico num acidente voltou a mover-se com a ajuda da tecnologia e apenas usando o pensamento, num projeto de investigadores dos Estados Unidos divulgado esta terça-feira na revista especializada em medicina The Lancet.