sicnot

Perfil

País

Pescadores oferecem as últimas sardinhas da Nazaré a Assução Cristas

Pescadores oferecem as últimas sardinhas da Nazaré a Assução Cristas

Os pescadores que estão proibidos de apanhar mais sardinha, por esgotarem o limite imposto pela União Europeia, alertam que se a quota não for alargada será a ruína de muitos. Na Nazaré, por exemplo, a captura está proibida desde sábado. Os pescadores protestaram, esta manhã, frente ao Ministério do Mar onde entregaram as últimas sardinhas.

A Câmara Municipal e a Associação de Pescadores e Armadores da Nazaré entregaram hoje no Ministério da Agricultura e do Mar as últimas sardinhas capturadas pelos pescadores locais, juntamente com um pedido: "deixem os pescadores trabalhar".

Esta ação simbólica pretendeu sensibilizar o Governo para negociar a quota sugerida pelo Conselho Internacional para a Exploração dos Mares (ICES), que contestam.

O ICES defende, para 2016, que a quota ibérica de captura de sardinha seja fixada em 1.587 toneladas, o que representa "uma redução de 90% em relação a 2015", segundo o presidente da Câmara da Nazaré, Walter Chicharro.

"Se o Governo, este ou outro qualquer, aceitar a redução proposta pelo ICES, o que se prevê é a miséria para estes pescadores. Não é concebível termos declarações públicas do secretário de Estado do Mar, em que há um mês dizia que se este ano fossem pescadas 30 mil toneladas ainda assim o stock crescia 2%, e termos depois uma proposta do ICES de reduzir de 19 mil toneladas em 2015 para 1.587 em 2016. É uma redução de 90%", frisou.

Questionado sobre os subsídios dados pelo Governo aos pescadores para colmatar essa redução, o autarca defendeu que os valores em causa "não vão tirar os pescadores da miséria".

Para Walter Chicharro, "20 a 24 euros diários para um pescador, cerca de 600 euros mensais, não é nada, não é algo que possa criar condições para que possa alimentar a família, para que possa ter os filhos na escola e para que possa ter o mínimo de dignidade no dia-a-dia".

Afirmando que aquela redução irá "lançar 100 famílias na Nazaré e muitas mais no país na total miséria", o presidente da Câmara frisou que "é preciso criar condições para que [os pescadores] possam fazer o seu trabalho".

Por seu lado, o presidente da Associação dos Armadores da Nazaré, Joaquim Zarro, pediu ao Governo para deixar os pescadores trabalhar e instou todos os pescadores do país a manifestarem-se, caso prossiga a redução de 90% na quota da sardinha para 2016.

"Pedimos aos ministros todos: por favor, deixem-nos trabalhar. Deixem-nos apanhar sardinha. Façam um limite, mas deixem-nos trabalhar. E peço a todos os pescadores de Portugal: se isto continuar assim, venham a Lisboa todos juntos, com força, porque nós queremos trabalhar", frisou.

Joaquim Zarro admitiu, ainda, que a ministra Assunção Cristas possa ter sido enganada com a informação de que há falta de sardinhas, porque "há imensa no mar".

"Há anos que não se vê tanta quantidade de sardinha júnior, de petinga" como agora, assegurou.

O armador explicou, ainda, que a "sardinha faz um percurso de sul para norte", por isso, se "não é apanhada em Portugal, é apanhada pelos nossos vizinhos em Espanha e França".

A Câmara e a Associação de Pescadores e Armadores da Nazaré entregaram 30 sardinhas à ministra da Agricultura e outras 30 para serem entregues ao primeiro-ministro.

Numa nota enviada à Lusa, o Ministério da Agricultura e do Mar fez saber que as sardinhas foram entregues a uma instituição de solidariedade indicada pelo Banco Alimentar.

Com Lusa

  • Drone inglês evita execução do Daesh na Síria
    2:08

    Mundo

    A Força Aérea britânica divulgou esta terça-feira um vídeo que mostra um drone a parar uma execução pública que estaria prestes a acontecer às mãos do Daesh, na Síria. As imagens, apesar de cortadas pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, mostram várias pessoas na rua, uma explosão e, depois, a fuga.

  • Atrás das Câmaras em Fátima
    2:48
  • Como fazer negócios no mercado dos leilões
    7:15
  • PS quer reconquistar poder em Vila Viçosa
    2:06

    Autárquicas 2017

    Ana Catarina Mendes insistiu na ideia de que o PSD escolheu um modo perigoso de fazer campanha, ao insistir nas críticas à lei da imigração. Ana Catarina Mendes, secretária-geral adjunta do PS, esteve esta quarta-feira em campanha no distrito de Évora.

  • Troca de argumentos entre Medina e Cristas marca campanha em Lisboa
    2:34

    Autárquicas 2017

    Esta quarta-feira o dia de campanha em Lisboa ficou marcado por uma troca de argumentos entre Fernando Medina e Assunção Cristas. O atual presidente da Câmara acusa a candidata do CDS de não respeitar os lisboetas por admitir que pode não exercer o cargo de vereadora até ao fim do mandato. Já Assunção Cristas garante que se for eleita cumpre o mandato até ao fim.

  • "Não toleramos ameaças de ninguém"
    2:13
  • Número de tartarugas marinhas está a aumentar

    Mundo

    O número de tartarugas marinhas está a crescer, levando investigadores a considerar que os esforços para salvar estes animais são uma "história de sucesso da conservação global", indica um estudo divulgado esta quarta-feira.

  • Tubarões vivem mais tempo do que se pensava

    Mundo

    Uma revisão de dados sobre avaliação da idade dos tubarões revela que muitas espécies têm maior longevidade do que se pensava, o que poderá obrigar a uma revisão dos planos de conservação das mais ameaçadas.

  • Como mudar um templo com 135 anos e 2 mil toneladas... de lugar

    Mundo

    Um templo budista do século XIX é um dos mais populares em Xangai, na China. Visitado diariamente por milhares de pessoas, precisava de ser relocalizado para evitar que uma tragédia acontecesse. E mesmo pesando cerca de duas mil toneladas, a missão acabou por se provar possível.

  • Casal morre com horas de diferença depois de 75 anos de casamento

    Mundo

    George e Jean Spear morreram no passado dia 15 de setembro, no hospital de Queensway Carleton, em Ottawa (Canadá), depois de terem celebrado 75 anos de casamento em agosto. A britânica de 94 anos conheceu o candaniano em 1941, num salão de bailes, em Londres. George Spear servia as Forças Armadas durante a Segunda Guerra Mundial.

    SIC