sicnot

Perfil

País

Adesão à greve da Groundforce ronda 90% em Lisboa e sem impacto no Porto, diz Sindicato

A adesão à greve dos trabalhadores da Groundforce rondava pelas 12:30 de hoje os 90% no aeroporto de Lisboa, causando atrasos nos voos e acumulação de bagagens, mas sem impacto no Porto, disse à Lusa fonte do sindicato.

Balcão da TAP e Groundforce

Balcão da TAP e Groundforce

LUIS FORRA


De acordo com o balanço feito à Lusa pelo dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (SITAVA), Fernando Henriques, em Lisboa "a adesão ronda os 90% na placa e nos terminais de bagagens e passou dos 60% verificados no sábado na área dos passageiros para os 75%".

No aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, "a adesão é menor", uma vez que no plenário realizado naquela cidade "os trabalhadores decidiram concentrar o seu protesto no sábado, dia 29. Apesar disso, alguns trabalhadores aderiram ao protesto de hoje, mas sem grande impacto", referiu o dirigente sindical.

A greve, que teve início às 00:00 de sábado, está a causar "atrasos nos voos entre os 30 minutos e os 45 minutos, mas não houve ainda cancelamentos", disse, acrescentando que estão também a verificar-se atrasos de duas horas nos voos que chegam a Lisboa: "uma hora dentro do avião porque os passageiros não têm escadas para sair e mais uma hora de espera junto aos tapetes de recolha de bagagens".

Fernando Henriques referiu ainda que a paralisação está a ter impacto ao nível das bagagens em Lisboa onde, à semelhança do que aconteceu no sábado, "algumas centenas de bagagens não acompanharam os passageiros e não foram colocadas nos aviões".

Entretanto, num comunicado enviado às redações, a Groundforce afirma que "a operação decorre normalmente não tendo sido registado qualquer cancelamento de voos, sendo os atrasos, perdas de bagagens ou qualquer dificuldade no tráfego normais para o mês de agosto, onde se regista um elevado fluxo de passageiros".

Na sexta-feira, a ANA - Aeroportos de Portugal alertou para a possibilidade de o tráfego aéreo "sofrer algum constrangimento" no fim de semana devido à greve da Groundforce e aconselhou os passageiros a fazer o seu check-in através da internet. A Lusa tentou contactar a ANA, mas sem sucesso.

Os trabalhadores da Groundforce ratificaram na sexta-feira a greve de 48 horas que está marcada para hoje e domingo, e cujo nível de adesão está, "não só a corresponder, mas a superar as expetativas", afirmou Fernando Henriques.

Os trabalhadores da SPdH - Serviços Portugueses de Handling (Groundforce Portugal) contestam a "postura de desrespeito" da empresa de assistência em terra e reivindicam a revisão dos horários de trabalho e dos salários e o fim da precariedade laboral.

A empresa de assistência em terra, nos aeroportos de Lisboa, Porto, Funchal e Porto Santo é detida em 49,9% pela TAP e em 50,1% pela Urbanos.

Os trabalhadores da Groundforce estiveram em greve no dia 31 de julho.

Segundo o SITAVA, a greve deste fim de semana abrange também os trabalhadores das cinco empresas de trabalho temporário que prestam serviço de handling - Adecco, Cross Staff, Multitempo, Inflight Solutions e RH Mais.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.