sicnot

Perfil

País

Bloco de Esquerda lamenta desinvestimento na Justiça um ano após reforma judicial

A porta-voz do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, disse esta quinta-feira que, um ano depois da entrada em vigor da reforma da Justiça, o caos tomou conta dos tribunais.

Catarina Martins criticou que o Governo tenha anunciado agora, em véspera de eleições, um investimento de 3 milhões em obras na Justiça, quando as necessidades do setor ascendem aos 70 milhões.

Catarina Martins criticou que o Governo tenha anunciado agora, em véspera de eleições, um investimento de 3 milhões em obras na Justiça, quando as necessidades do setor ascendem aos 70 milhões.

RICARDO CASTELO / Lusa

Acompanhada de Mariana Mortagua e Pedro Filipe Soares, a porta-voz do BE aproveitou a visita ao tribunal de Loures para lamentar o desinvestimento e a paralisação da Justiça, com atrasos nos processos judiciais que chegam aos seis meses.

No caso de Loures, os serviços continuam a funcionar nos contentores montados no exterior, até estarem concluídas as obras de ampliação do edifício principal.

Catarina Martins criticou ainda que o Governo tenha anunciado agora, em véspera de eleições, um investimento de 3 milhões em obras na Justiça, quando as necessidades do setor ascendem aos 70 milhões.

  • Novo ano judicial arranca com críticas dos magistrados e dos funcionários
    2:30

    País

    O novo ano judicial arranca com críticas dos magistrados do Ministério Público e dos funcionários.Um ano depois da reforma feita pelo governo, garantem que os tribunais estão piores e que as mudanças afastaram os cidadãos. Na agenda da justiça para os próximos meses há vários casos mediáticos, com José Sócrates à cabeça.

  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.