sicnot

Perfil

País

Aplicação brasileira para chamar táxis quer conquistar mercado português

A empresa brasileira que desenvolveu a aplicação 99Taxis, que permite chamar um táxi através do telemóvel, está em Lisboa desde janeiro, começou a operar agora no Porto e pretende alargar-se às grandes cidades do país.

Arquivo

Arquivo

SIC

"Este investimento tem-se mostrado uma ótima certeza", disse à Lusa Pedro Fonseca, representante da 99Taxis em Portugal.

A operar em Lisboa desde o início do ano, aquela aplicação já foi descarregada por cerca de 800 taxistas e mais de 10 mil pessoas.

No Porto, já conta com cerca de 100 taxistas, indicou o responsável.

"Já temos também taxistas no Algarve, em Almada, Moscavide, Sintra, Oeiras e Queluz", acrescentou.

Aquela aplicação permite que se chame um táxi através de um smartphone e o sistema irá encontrar a viatura mais próxima.

O serviço permite ainda mais facilidade na recuperação de objetos esquecidos dentro do carro, "já que é fácil identificar e contactar o motorista", indicou a empresa.

A aplicação permite ainda ao passageiro avaliar o condutor, o serviço e o carro.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras