sicnot

Perfil

País

Professores, alunos e pais manifestam-se contras verbas do ensino artístico

Professores, diretores escolares, alunos e encarregados de educação vão manifestar-se em frente ao Ministério da Educação contra as verbas atribuídas às escolas de ensino artístico que obrigam a retirar das turmas milhares de crianças que já estavam inscritas.

(arquivo)

(arquivo)

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A decisão de realizar uma manifestação a 18 de setembro surge depois de as escolas de ensino artístico especializado terem tido conhecimento dos valores que iriam receber do Ministério da Educação e Ciência (MEC) para garantir a oferta de ensino da música e da dança aos alunos das escolas públicas.

O MEC garante que as verbas atribuídas este ano serão semelhantes às do ano passado (55 milhões de euros), mas os diretores das escolas falam em cortes de financiamento e já começaram a avisar muitos encarregados de educação de que os seus filhos iriam ser retirados das turmas em que estavam inscritos.

Segundo um levantamento feito pela Associação de Estabelecimentos do Ensino Particular e Cooperativo (AEEP) junto de 30% das escolas, há menos 2.519 alunos apoiados em relação ao ano passado.

"Só na região de Lisboa e Vale do Tejo, há uma corte entre os 25 e os 40%. Na minha escola, por exemplo, tivemos uma redução de 136 mil euros. Há escolas que devido aos cortes, comparativamente com o ano passado, perderam 200 alunos", contou à Lusa Suzana Batoca, diretora executiva da Academia de Música de Almada (AMA).

O processo de atribuição de verbas ainda está a decorrer, já que o prazo para a audiência prévia termina hoje e Suzana Batoca acredita que as escolas que viram a sua verba reduzida vão reagir.

"Todas as escolas vão recorrer destas decisões", disse à Lusa, alertando ainda para a possibilidade de alguns estabelecimentos de ensino, professores em nome individual ou encarregados de educação poderem vir a impugnar o concurso.

Enquanto esperam pela resposta aos recursos, a Plataforma do Ensino Artístico Especializado garante que não vão ficar parados e já agendaram uma manifestação para a próxima sexta-feira de manhã em frente ao Ministério da Educação.

"Não vamos desistir, porque há empregos em causa, escolas em perigo e milhares de alunos que de repente ficaram sem turma a duas semanas de começarem as aulas", contou à Lusa o professor Duarte Lamas, acreditando que haverá uma forte participação de encarregados de educação.

Pais, professores e alunos vão concentrar-se na avenida 5 de Outubro, em Lisboa, e exigir que "pelo menos seja dada a possibilidade às escolas de manter o número de alunos que tinham no ano passado", contou Suzana Batota, explicando que a iniciativa será semelhante à realizada em fevereiro, quando foi montado um palco em frente ao ministério e alunos e professores deram um concerto.

A Plataforma do Ensino Artístico Especializado está também a planear a realização de concertos em todas as escolas no dia 1 de outubro, Dia Internacional da Música.

Além disto, muitos pais com filhos retirados das turmas estão a enviar cartas para os serviços do MEC.

A polémica em torno do financiamento das escolas de ensino artístico especializado ganhou destaque no final do ano passado, com atrasos nos pagamentos que levaram a manifestações e à decisão do ministério em alterar as regras.

As escolas passaram então a ser todas financiadas pelo Orçamento de Estado (antes a maioria recebia de fundos comunitários) e os concursos para atribuição de verbas passaram a ser trianuais.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.