sicnot

Perfil

País

Governo português "condena veementemente" sucessivos atentados terroristas na Turquia

O Governo português condenou hoje veementemente a sucessão de atentados terroristas ocorridos na Turquia, que já fizeram mais de 100 mortos, indicou o Ministério dos Negócios Estrangeiros, em comunicado enviado à Lusa.

© Rafael Marchante / Reuters

"O Governo português manifesta a sua solidariedade para com a Turquia, e em especial para com os familiares das vítimas, e reitera a sua firme condenação do terrorismo sob todas as formas", lê-se ainda no documento.

Um atentado ocorrido a 20 de julho em Suruç, no sul do país, e atribuído ao grupo 'jihadista' Estado Islâmico (EI), matou 34 jovens apoiantes da causa curda.

Em consequência disso, os combatentes do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), considerados pelo Governo turco uma organização terrorista, romperam o cessar-fogo em vigor desde 2013 e regressaram às armas, depois de acusarem o Governo de Ancara de "inação em relação às atividades do EI" e de ineficaz proteção ao povo curdo.

A Turquia respondeu a 24 de julho, desencadeando uma "guerra contra o terrorismo" dirigida em simultâneo contra o PKK e os combatentes do EI ao longo da fronteira com o Iraque e a Síria, mas sobretudo concentrada na repressão aos ativistas curdos, com centenas de detenções registadas desde então.

A 10 de agosto, uma vaga de ataques matou seis elementos das forças de segurança turcas e atingiu, entre outros alvos, o consulado dos Estados Unidos em Istambul.

Um grupo de extrema-esquerda reivindicou pouco depois o atentado contra o consulado norte-americano em Istambul, enquanto os separatistas curdos turcos foram apontados como responsáveis por outros dois ataques na capital económica da Turquia -- um deles contra uma esquadra da polícia -, e incidentes na região sul do país.

A 19 de agosto, oito soldados turcos morreram num ataque bombista atribuído aos militantes do PKK na província de Siir, no sudeste do país, no ataque mais mortífero a atingir as forças turcas desde o início da ofensiva contra a guerrilha curda no país, que também incluiu ataques aéreos contra as bases do PKK no norte do Iraque.

Lusa

  • Maria Cavaco Silva "muito espantada" com caso Raríssimas
    0:56

    País

    Maria Cavaco Silva disse hoje que ficou surpreendida e preocupada com as suspeitas de irregularidades na associação Raríssimas. A ex-primeira dama garante que desconhecia a situação e afirma que Portugal não é "abonado" ao ponto de poder desperdiçar o trabalho feito, lembrando que os utentes não podem sofrer com a polémica.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • "O futuro da Autoeuropa não está em causa"
    0:43

    Economia

    O secretário de Estado do Trabalho apelou a que os partidos não se intrometam nas negociações entre os trabalhadores e a administração da Autoeuropa. Em entrevista à Edição da Noite da SIC Notícias, Miguel Cabrita afastou a hipótese de estar em causa o encerramento da fábrica de Palmela. 

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28