sicnot

Perfil

País

Governo português "condena veementemente" sucessivos atentados terroristas na Turquia

O Governo português condenou hoje veementemente a sucessão de atentados terroristas ocorridos na Turquia, que já fizeram mais de 100 mortos, indicou o Ministério dos Negócios Estrangeiros, em comunicado enviado à Lusa.

© Rafael Marchante / Reuters

"O Governo português manifesta a sua solidariedade para com a Turquia, e em especial para com os familiares das vítimas, e reitera a sua firme condenação do terrorismo sob todas as formas", lê-se ainda no documento.

Um atentado ocorrido a 20 de julho em Suruç, no sul do país, e atribuído ao grupo 'jihadista' Estado Islâmico (EI), matou 34 jovens apoiantes da causa curda.

Em consequência disso, os combatentes do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), considerados pelo Governo turco uma organização terrorista, romperam o cessar-fogo em vigor desde 2013 e regressaram às armas, depois de acusarem o Governo de Ancara de "inação em relação às atividades do EI" e de ineficaz proteção ao povo curdo.

A Turquia respondeu a 24 de julho, desencadeando uma "guerra contra o terrorismo" dirigida em simultâneo contra o PKK e os combatentes do EI ao longo da fronteira com o Iraque e a Síria, mas sobretudo concentrada na repressão aos ativistas curdos, com centenas de detenções registadas desde então.

A 10 de agosto, uma vaga de ataques matou seis elementos das forças de segurança turcas e atingiu, entre outros alvos, o consulado dos Estados Unidos em Istambul.

Um grupo de extrema-esquerda reivindicou pouco depois o atentado contra o consulado norte-americano em Istambul, enquanto os separatistas curdos turcos foram apontados como responsáveis por outros dois ataques na capital económica da Turquia -- um deles contra uma esquadra da polícia -, e incidentes na região sul do país.

A 19 de agosto, oito soldados turcos morreram num ataque bombista atribuído aos militantes do PKK na província de Siir, no sudeste do país, no ataque mais mortífero a atingir as forças turcas desde o início da ofensiva contra a guerrilha curda no país, que também incluiu ataques aéreos contra as bases do PKK no norte do Iraque.

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • Mulher de português raptado em Moçambique faz apelo ao Governo
    0:24

    País

    Salomé Sebastião, a mulher do empresário português raptado em julho de 2016, em Moçambique, foi esta quarta-feira ouvida na Comissão Parlamentar de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas, no âmbito da petição entregue na Assembleia da República. A petição, subscrita por mais de quatro mil pessoas, pede aos deputados portugueses que pressionem as autoridades moçambicanas a investigar o paradeiro do português Américo Sebastião.

  • Sismo de magnitude 5,5 no sul do Irão

    Mundo

    Um sismo de magnitude 5,5 atingiu esta quinta-feira o sul do Irão, perto de uma unidade nuclear, abalando o Bahrein e outras áreas ao redor do Golfo Pérsico, segundo o Serviço Geológico dos EUA.

  • Princesa do Dubai que estava em fuga foi levada de volta a casa

    Mundo

    Latifa Mohamed al Maktoum, uma das filhas do emir do Dubai e primeiro-ministro dos Emirados Árabes Unidos, estava em fuga desde março. Latifa tinha partilhado um vídeo onde revelava que ia fugir e explicava os motivos. Fonte próxima do Governo do Dubai garantiu que a princesa foi levada de volta a casa.

    SIC

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.