sicnot

Perfil

País

Quase metade dos candidatos à 2.ª fase do ensino superior não conseguiu vaga

Quase metade dos candidatos ficaram fora das universidades e politécnicos públicos na 2.ª fase do concurso nacional de acesso, que registou 18.250 candidatos, mas apenas 9.410 colocados, de acordo com dados divulgados hoje pela Direção-Geral do Ensino Superior (DGES).

© Marcelo del Pozo / Reuters

Segundo os números da tutela, entre o total de candidatos havia 5.810 que não se te tinham candidatado à 1.ª fase, 4.366 que não foram colocados na 1.ª fase, 1.980 colocados na 1.ª fase que não se matricularam e 6.094 candidatos colocados na 1.ª fase e que concretizaram a matrícula.

"Para a segunda fase, o número de vagas colocadas a concurso foi de 13.387, às quais acresceram 1.779 vagas libertadas por candidatos colocados e matriculados na primeira fase que foram agora colocados na segunda fase. Na segunda fase do concurso não foram ocupadas 5.836 vagas", refere uma nota do Ministério da Educação e Ciência.

Apesar das milhares de vagas que sobraram, os dados da DGES revelam que 8.840 alunos não conseguiram lugar na 2.ª fase.

Os resultados da 2.ª fase estão disponíveis desde hoje para consulta no portal da DGES em http://www.dges.mctes.pt e na aplicação ES Acesso para dispositivos móveis nas plataformas IOS e Android.

Os mais de nove mil colocados na 2.ª fase têm entre 24 e 28 de setembro para se matricularem na instituição e curso eu que conseguiram lugar.

Caberá agora às instituições decidir se querem levar a concurso para uma 3.ª fase as vagas que sobraram da 2.ª fase e aquelas que eventualmente não sejam ocupadas por não se concretizar a matrícula.

A candidatura à 3.ª fase decorre entre 01 e 05 de outubro através do portal da DGES. No dia 01 a DGES divulga a lista com as vagas disponíveis para cada instituição e curso.

Lusa

  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40

    Economia

    Carlos Moedas diz que Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas a propósito da saída do procedimento por défice excessivo. Em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, o comissário europeu levanta dúvidas sobre a renegociação da dívida e garante que a escolha de Mário Centeno para a liderança do Eurogrupo vai depender do entendimento dos países do euro.

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48