sicnot

Perfil

País

Quase metade dos candidatos à 2.ª fase do ensino superior não conseguiu vaga

Quase metade dos candidatos ficaram fora das universidades e politécnicos públicos na 2.ª fase do concurso nacional de acesso, que registou 18.250 candidatos, mas apenas 9.410 colocados, de acordo com dados divulgados hoje pela Direção-Geral do Ensino Superior (DGES).

© Marcelo del Pozo / Reuters

Segundo os números da tutela, entre o total de candidatos havia 5.810 que não se te tinham candidatado à 1.ª fase, 4.366 que não foram colocados na 1.ª fase, 1.980 colocados na 1.ª fase que não se matricularam e 6.094 candidatos colocados na 1.ª fase e que concretizaram a matrícula.

"Para a segunda fase, o número de vagas colocadas a concurso foi de 13.387, às quais acresceram 1.779 vagas libertadas por candidatos colocados e matriculados na primeira fase que foram agora colocados na segunda fase. Na segunda fase do concurso não foram ocupadas 5.836 vagas", refere uma nota do Ministério da Educação e Ciência.

Apesar das milhares de vagas que sobraram, os dados da DGES revelam que 8.840 alunos não conseguiram lugar na 2.ª fase.

Os resultados da 2.ª fase estão disponíveis desde hoje para consulta no portal da DGES em http://www.dges.mctes.pt e na aplicação ES Acesso para dispositivos móveis nas plataformas IOS e Android.

Os mais de nove mil colocados na 2.ª fase têm entre 24 e 28 de setembro para se matricularem na instituição e curso eu que conseguiram lugar.

Caberá agora às instituições decidir se querem levar a concurso para uma 3.ª fase as vagas que sobraram da 2.ª fase e aquelas que eventualmente não sejam ocupadas por não se concretizar a matrícula.

A candidatura à 3.ª fase decorre entre 01 e 05 de outubro através do portal da DGES. No dia 01 a DGES divulga a lista com as vagas disponíveis para cada instituição e curso.

Lusa

  • "A Minha Outra Pátria": o drama da Venezuela no Jornal da Noite
    2:12

    Reportagem Especial

    Quase cinco mil emigrantes regressaram à Madeira nos últimos meses por causa da crise económica, social e política na Venezuela. Os pedidos de ajuda ao Governo Regional dispararam. Muitos luso-venezuelanos voltaram às origens com pouco mais do que a roupa do corpo. "A Minha Outra Pátria" é a Reportagem Especial de hoje.

  • Fogo na Sertã alastrou aos concelhos de Mação e Proença-a-Nova
    2:37

    País

    Mais de 700 bombeiros combatem o incêndio que começou este domingo na Sertã e, durante a noite foi empurrado pelo vento para outros dois concelhos. As chamas atingiram as zonas de Mação e de Proença-a-Nova, onde os habitantes dizem que há várias casas destruídas pelo fogo. Esta manhã, chegaram dois aviões espanhóis para ajudar a controlar as chamas.

  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • Governo reconhece seca severa no continente desde 30 de junho

    País

    O Governo reconheceu, hoje, a existência de uma situação de seca severa no território continental, desde 30 de junho, que consubstancia um fenómeno climático adverso, com repercussões negativas na atividade agrícola, em despacho publicado hoje em Diário da República.

  • Oposição pressiona Maduro com anúncio de manifestações e greve geral
    1:34
  • Margem mínima de mil votos obriga a negociações intensas em Timor-Leste

    Mundo

    A Fretilin venceu sem maioria absoluta as lesgislativas para o VII Governo constitucional de Timor-Leste. De acordo com os dados oficiais, o partido de Mari Alkatiri obteve perto de 170 mil votos e conquistou 23 deputados. Já o partido de Xanana Gusmão que tinha vencido há cinco anos, ficou em segundo com 167 mil votos e 22 lugares no parlamento, num total de 65.