sicnot

Perfil

País

Associação 25 de Abril estupefacta com ausência de Cavaco das comemorações do 5 de Outubro

A Associação 25 de Abril mostrou-se hoje "estupefacta" com a decisão do Presidente da República, Cavaco Silva, de não marcar presença na segunda-feira nas comemorações oficiais do 5 de Outubro, acusando-o de ter "medo de assumir publicamente as suas decisões".

MIGUEL A. LOPES

"O Presidente da República não vai participar nas comemorações oficiais do 5 de Outubro. Tudo estaria correto se o 5 de Outubro não correspondesse ao dia da implantação da República em Portugal. Assistimos estupefactos à negação por parte do mais alto magistrado da Nação Republicana da razão e causa da sua própria existência", lê-se num comunicado assinado pelo presidente da Associação 25 de Abril, Vasco Lourenço, publicado na página oficial daquela entidade na rede social Facebook.

Vasco Lourenço recorda que "dizem os jornais que ele faz o que faz porque não quer comentar as eleições do dia anterior".

"Mas, se ele já disse publicamente que sabe o que vai fazer, a seguir às eleições, mesmo antes de estas se realizarem", indigna-se.

O 'capitão de Abril' só encontra uma justificação: "Medo, de assumir pública e frontalmente as suas decisões".

"Se for esse o caso, abra-se, desde já, uma subscrição para lhe 'comprar um cão'. Por mim, contribuirei com um tostão furado", refere.

Fonte oficial de Belém disse na quinta-feira à Lusa que o Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, não estará presente na cerimónia do 05 de Outubro, porque terá de "se concentrar na reflexão sobre as decisões que terá de tomar nos próximos dias.

A cerimónia solene da comemoração do 105.º aniversário da Implantação da República decorrerá no Salão Nobre do edifício dos Paços do Concelho e será presidida pela Presidente da Assembleia da República.

Desde que o dia da Implantação da República deixou de ser feriado, este será o primeiro ano que se irá comemorar num dia útil e será o dia seguinte às eleições legislativas.

Lusa

  • O fim do julgamento do caso BPN, seis anos depois
    2:26

    País

    O antigo presidente do BPN José Oliveira Costa tentou adiar o fim do julgamento principal do caso com um recurso para o Tribunal Constitucional. Apesar disso, a leitura do acórdão continua marcada para esta quarta-feira, quase seis anos e meio depois de os 15 arguidos se terem sentado pela primeira vez no banco dos réus.

  • José Oliveira Costa, o rosto do buraco financeiro do BPN
    3:04

    País

    José Oliveira Costa foi o homem forte do BPN durante 10 anos e tornou-se o rosto do gigantesco buraco financeiro. Manteve-se em silêncio durante todo o julgamento, mas falou aos deputados da comissão de inquérito, para negar qualquer envolvimento no escândalo que fez ruir o BPN.

  • Saída do Procedimento por Défice Excessivo marca debate no Parlamento
    1:40
  • Filhos tentam anular casamento de pai de 101 anos

    País

    O casamento de um homem de 101 anos com uma mulher com metade da idade, em Bragança, está a ser contestado judicialmente pelos filhos do idoso, que acusam aquela que era empregada da família de querer ser herdeira.