sicnot

Perfil

País

Chuva forte e trovoada coloca 9 ilhas dos Açores sob aviso amarelo

O conjunto das nove ilhas dos Açores está hoje sob aviso amarelo, o terceiro mais grave de uma escala de quatro, devido à previsão de chuva forte, informou o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

(SIC/ Arquivo)

No grupo central dos Açores, composto pelas ilhas Graciosa, Terceira, São Jorge, Pico e Faial, o anterior aviso laranja, o segundo mais grave de uma escala de quatro, passou de laranja a amarelo até às 15:00 de hoje, devido à previsão de precipitação pontualmente forte e trovoadas.

Já os grupos ocidental (Flores e Corvo) e oriental (S. Miguel e Santa Maria) que estavam sob aviso amarelo, também devido à previsão de chuva ou aguaceiros pontualmente forte e trovoadas, até às 8:00 de hoje, viu prolongado o aviso até às 15:00.

O aviso o amarelo significa "risco para determinadas atividades" dependentes do estado do tempo.

O IPMA prevê para hoje no grupo ocidental dos Açores (Corvo e Flores) períodos de céu muito nublado, com abertas, aguaceiros pontualmente fortes, condições favoráveis à ocorrência de trovoadas e vento calmo norte na madrugada, tornando-se moderado e rodando para noroeste.

No grupo central (Graciosa, S. Jorge, Pico, Faial e Terceira) prevê-se períodos de céu muito nublado com abertas, aguaceiros pontualmente fortes, condições favoráveis à ocorrência de trovoadas e vento sudoeste moderado a fresco com rajadas até 65 quilómetros por hora, fraco a moderado.

A previsão aponta para o grupo oriental (S. Miguel e Santa Maria) períodos de céu muito nublado com abertas, aguaceiros pontualmente fortes, condições favoráveis à ocorrência de trovoadas e vento sudoeste fresco com rajadas até 65 quilómetros por hora, tornando-se moderado.

Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".

  • O regresso a casa depois do incêndio no Sardoal
    2:43
  • Cerca de 20 mil portugueses vivem em Barcelona
    1:44