sicnot

Perfil

País

Manuel Alegre diz que PS não pode "implodir" após derrota

O histórico dirigente socialista Manuel Alegre mostrou na noite de domingo satisfação pela continuidade de António Costa à frente do PS após a derrota nas legislativas, e sublinhou que o partido não pode "implodir" após um desaire nas urnas.

"Quando ganhamos, ganhamos todos. Quando perdemos, perdemos todos. Ele [Costa] assumiu a sua responsabilidade mas não pode haver bodes expiatórios, nem o PS agora pode implodir pelo facto de ter perdido uma eleição, o que é normal em democracia", declarou o ex-candidato presidencial.

"Quando ganhamos, ganhamos todos. Quando perdemos, perdemos todos. Ele [Costa] assumiu a sua responsabilidade mas não pode haver bodes expiatórios, nem o PS agora pode implodir pelo facto de ter perdido uma eleição, o que é normal em democracia", declarou o ex-candidato presidencial.

Lusa

"Quando ganhamos, ganhamos todos. Quando perdemos, perdemos todos. Ele [Costa] assumiu a sua responsabilidade mas não pode haver bodes expiatórios, nem o PS agora pode implodir pelo facto de ter perdido uma eleição, o que é normal em democracia", declarou o ex-candidato presidencial.

Alegre falava à saída do Hotel Altis, em Lisboa, após o secretário-geral do PS ter dito que "manifestamente" não se demitia após a derrota nas legislativas, mesmo assumindo a responsabilidade "pessoal" e "política" do resultado.

Para o antigo candidato presidencial, o resultado "politicamente mais significativo da noite" é a subida do Bloco de Esquerda, mas o PS, reconhece, "deve interrogar-se sobre algumas das razões do resultado destas eleições".

A coligação PSD/CDS-PP é a força partidária mais votada com 36,95% dos votos e com 93 mandatos, quando estão apurados os resultados provisórios em 3086 das 3092 freguesias.

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.