sicnot

Perfil

País

Especialistas debatem maior prevalência de depressão entre os diabéticos

A depressão é mais prevalente nos diabéticos do que na população geral, o que muitas vezes compromete a adesão à terapêutica, afirma o Núcleo de Estudos da Diabetes Mellitus, doença que afeta cerca de 13% da população em Portugal.

© Ulises Rodriguez / Reuters

Este é um dos principais temas em destaque na 10ª Reunião do Núcleo de Estudos da Diabetes Mellitus (NEDM), que decorre nos dias 09 e 10 de Outubro, em Viseu.

Segundo Edite Nascimento, coordenadora destas jornadas, "sendo a diabetes mellitus uma doença crónica, com implicações em todos os órgãos e sistemas orgânicos, é fácil de perceber o motivo pelo qual a depressão é também mais prevalente neste grupo populacional".

A médica internista explica ainda que quando a depressão surge no evoluir da doença, muitas vezes fica "comprometida de forma séria" a adesão terapêutica e o doente fica mais exposto ao aparecimento de complicações resultantes do agravamento metabólico associado.

A diabetes gestacional será outro dos assuntos a debater neste encontro, já que muitas mulheres correm risco de desenvolver diabetes durante a gravidez, com normalização dos valores de glicemia após o parto.

No entanto, "o aparecimento de diabetes durante a gestação pode trazer riscos acrescidos para a mãe e para a criança, nomeadamente maior taxa de malformações do feto, macrossomia e complicações várias durante o parto", alerta a responsável.

As novas terapêuticas para o tratamento da diabetes também vão estar em foco, sendo que em Portugal existe já um grande número de opções terapêuticas ao dispor dos médicos para tratarem as pessoas com diabetes de forma mais individualizada, afirma Edite Nascimento, mostrando-se preocupada com o impacto da diabetes mellitus no país.

Portugal é o país da Europa com a taxa de prevalência de diabetes mais elevada, atingindo mais de um milhão de portugueses, segundo o último relatório anual do Observatório Nacional da Diabetes, mais especificamente 13% da população entre os 20 e os 79 anos, de acordo com o relatório de Saúde de 2014, da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

Além disso, são diagnosticados todos os anos 60 mil novos casos e sabe-se hoje que 27% da população portuguesa apresenta um risco de desenvolver diabetes no futuro.

Edite Nascimento alerta que "se nada for feito, o número de casos vai aumentar muito no futuro".

O número crescente de casos diagnosticados e de complicações relacionadas com esta doença tem repercussões económicas, sociais e individuais difíceis de contabilizar.

O tratamento da diabetes e das suas complicações representa cerca de 10% da despesa de saúde em Portugal, o que corresponde a cerca de 1% do Produto Interno Bruto.

Só a diabetes (excluindo custos indiretos, pessoais e sociais) tem um custo direto em saúde estimado entre os 1.250 e os 1.500 milhões de euros (entre 8 e 9% das despesas em saúde).

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.