sicnot

Perfil

País

Especialistas debatem maior prevalência de depressão entre os diabéticos

A depressão é mais prevalente nos diabéticos do que na população geral, o que muitas vezes compromete a adesão à terapêutica, afirma o Núcleo de Estudos da Diabetes Mellitus, doença que afeta cerca de 13% da população em Portugal.

© Ulises Rodriguez / Reuters

Este é um dos principais temas em destaque na 10ª Reunião do Núcleo de Estudos da Diabetes Mellitus (NEDM), que decorre nos dias 09 e 10 de Outubro, em Viseu.

Segundo Edite Nascimento, coordenadora destas jornadas, "sendo a diabetes mellitus uma doença crónica, com implicações em todos os órgãos e sistemas orgânicos, é fácil de perceber o motivo pelo qual a depressão é também mais prevalente neste grupo populacional".

A médica internista explica ainda que quando a depressão surge no evoluir da doença, muitas vezes fica "comprometida de forma séria" a adesão terapêutica e o doente fica mais exposto ao aparecimento de complicações resultantes do agravamento metabólico associado.

A diabetes gestacional será outro dos assuntos a debater neste encontro, já que muitas mulheres correm risco de desenvolver diabetes durante a gravidez, com normalização dos valores de glicemia após o parto.

No entanto, "o aparecimento de diabetes durante a gestação pode trazer riscos acrescidos para a mãe e para a criança, nomeadamente maior taxa de malformações do feto, macrossomia e complicações várias durante o parto", alerta a responsável.

As novas terapêuticas para o tratamento da diabetes também vão estar em foco, sendo que em Portugal existe já um grande número de opções terapêuticas ao dispor dos médicos para tratarem as pessoas com diabetes de forma mais individualizada, afirma Edite Nascimento, mostrando-se preocupada com o impacto da diabetes mellitus no país.

Portugal é o país da Europa com a taxa de prevalência de diabetes mais elevada, atingindo mais de um milhão de portugueses, segundo o último relatório anual do Observatório Nacional da Diabetes, mais especificamente 13% da população entre os 20 e os 79 anos, de acordo com o relatório de Saúde de 2014, da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

Além disso, são diagnosticados todos os anos 60 mil novos casos e sabe-se hoje que 27% da população portuguesa apresenta um risco de desenvolver diabetes no futuro.

Edite Nascimento alerta que "se nada for feito, o número de casos vai aumentar muito no futuro".

O número crescente de casos diagnosticados e de complicações relacionadas com esta doença tem repercussões económicas, sociais e individuais difíceis de contabilizar.

O tratamento da diabetes e das suas complicações representa cerca de 10% da despesa de saúde em Portugal, o que corresponde a cerca de 1% do Produto Interno Bruto.

Só a diabetes (excluindo custos indiretos, pessoais e sociais) tem um custo direto em saúde estimado entre os 1.250 e os 1.500 milhões de euros (entre 8 e 9% das despesas em saúde).

  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.