sicnot

Perfil

País

Porto da Figueira da Foz reaberto seis dias após naufrágio

Depois de terminadas as buscas pelos pescadores vítimas de naufrágio na terça-feira, o porto da Figueira da Foz foi reaberto esta manhã. Ontem, ainda de forma condicionada, saíram os navios retidos no interior do porto e hoje, ao meio-dia e meia, foi dada autorização para entrada e saída de embarcações.

No arrastão Olívia Ribau naufragado no dia 6, à entrada do porto da Figueira da Foz, seguiam sete pescadores.

No arrastão Olívia Ribau naufragado no dia 6, à entrada do porto da Figueira da Foz, seguiam sete pescadores.

PAULO NOVAIS / Lusa

Ao largo esperavam seis cargueiros há vários dias para entrar no porto comercial. Dois deles traziam mercadorias para descarregar os restantes pretendiam carregar os respectivos contentores.

Assim que foi dada a luz verde à navegação, foram várias embarcações de pesca e algumas de recreio que começaram a circular no canal de acesso ao mar. A maioria em direção ao alto mar.

O porto esteve encerrado seis dias depois de o arrastão Olívia Ribau ter naufragado na terça-feira quando regressava da faina. A bordo seguiam sete tripulantes. Dois sobreviveram, mas os restantes cinco perderam a vida.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.