sicnot

Perfil

País

Maioria dos apelos ao SOS-Criança são feitos por crianças que se sentem sós

A maioria dos apelos que chegam diariamente à Linha SOS-Criança são feitos por crianças que se sentem sós, mesmo acompanhadas em casa, disse esta quarta-feira à agência Lusa o coordenador do serviço, Manuel Coutinho.

Desde 1998 (ano em que o serviço foi criado) já chegaram mais 116 mil situações à Linha. Em 2014, recebeu 5799 novas situações. (Arquivo)

Desde 1998 (ano em que o serviço foi criado) já chegaram mais 116 mil situações à Linha. Em 2014, recebeu 5799 novas situações. (Arquivo)

SIC

Segundo o psicólogo, 64% dos apelos que chegaram no ano passado ao serviço telefónico do Instituto de Apoio à Criança (IAC) foram feitos por "meninos, meninas e jovens que queriam falar com alguém".

"As crianças e os jovens, por vezes, vivem numa solidão acompanhada. Estão pessoas perto deles, mas não têm confiança, não têm à vontade para falar com essas pessoas e ligam para o serviço SOS-Criança", contou Manuel Coutinho.

Estas crianças "estão sozinhas e fechadas dentro delas próprias e são essas crianças, com dúvidas existenciais, com ideação suicida, com angústia, com os medos depressivos que procuram frequentemente" este serviço.

O secretário-geral do IAC explicou que o que "acontece muito" é as famílias estarem a passar por "períodos de grande fragilidade, não conseguindo conter" a pressão que recai sobre elas.

Ao não conseguirem enfrentar "tanta dificuldade" deixam, por vezes, "perpassar para as crianças uma falta de cuidado e atenção adequada" ou "não têm recursos nem meios para fazer frente à dificuldade e às necessidades que as crianças hoje precisam".

Por outro lado, as famílias têm cargas horárias cada vez maiores que não se compatibilizam com os horários das escolas, o que contribui para que muitas crianças passem mais tempo sozinhas e aumente os seus sentimentos de "angústia e solidão", advertiu o psicólogo.

Desde 1998 (ano em que o serviço foi criado) já chegaram mais 116 mil situações à Linha. Em 2014, recebeu 5799 novas situações.

Segundo Manuel Coutinho, "a complexidade dos apelos apresentada", desde que o serviço foi criado, "tem vindo a aumentar" e as situações a tornarem-se "cada vez mais delicadas" e mais difíceis de resolver.

Para o psicólogo, esta realidade exige "um maior trabalho de articulação e parceria" com todos os serviços de apoio e proteção das crianças para "encontrar uma resposta conjugada que permita ajudar a criança a retomar o normal funcionamento no seu dia-a-dia".

Há outras questões que fazem com que as crianças liguem, muitas delas relacionadas com pedidos de prevenção e de apoio, que totalizaram 25% das situações no ano passado.

"Quando as crianças estão com dúvidas existenciais e estão aflitas ligam para o SOS-Criança, mas muitas vezes são também os adultos que procuram ajuda", contou.

Vinte por cento dos apelos que chegaram à linha, em 2014, foram de crianças em risco, enquanto 18% foram de crianças vítimas de negligência e 12% vítimas de maus-tratos físicos dentro da família.

Os maus tratos psicológicos representaram 9% de apelos e as questões da regulação do exercício das responsabilidades parentais 8%.

"Há aqui um conjunto de situações que está próxima do mundo das crianças e em que a sociedade em geral tem que pôr a lupa e dar maior atenção", defendeu Manuel Coutinho, destacando a importância de divulgar o serviço gratuito SOS-Criança (116111) para chegar a um maior número de pessoas.

Das crianças apoiadas pelos técnicos da linha no ano passado, 54% eram meninas.

No último ano, 47% dos apelos eram de Lisboa, 19,5% de Viseu 16% do Porto, 11% de Setúbal, 4% de Faro e 3% de Aveiro.

Lusa

  • Pedrógão e o Governo das culpas dos outros

    Opinião

    Depois das revelações do ‘Expresso’ e do ‘i’, o primeiro-ministro e os ministros saíram à rua com uma estratégia muito bem definida: desmentir a existência de listas secretas e centrar as atenções no Ministério Público. Ao mesmo tempo, nas redes sociais, está em curso (mais) uma campanha contra os jornalistas. Os anónimos, com cartão de militante, que escrevem nessas páginas acusam os jornais das “mais rebuscadas teorias da conspiração”. Nada de novo portanto.

    Bernardo Ferrão

  • "A verdadeira questão são as imagens com que abrimos o Jornal, é um país que está a arder"
    2:52

    Opinião

    A polémica em torno do número de vítimas da tragédia de Pedrógão Grande esteve em análise no Jornal da Noite. Miguel Sousa Tavares diz não compreender "que se faça disto uma questão política" e reitera que o foco deve centrar-se nas imagens de "um país que está a arder". O comentador SIC afirma ainda que "64 mortos num incêndio é um escândalo, um número absurdo".

    Miguel Sousa Tavares

  • "Hoje vi chover lume"
    3:57
  • Quase mil bombeiros combatem chamas na Sertã
    1:37

    País

    O incêndio que deflagrou no domingo, na Sertã, concelho de Castelo Branco, ainda não foi extinto. Perto de mil homens combatem as chamas no terreno, apoiados por 10 meios aéreos. O fogo tem frentes em Mação e Proença-a-Nova.

  • Proteção Civil acusada de gestão errática no incêndio de Mação
    1:26

    País

    O comandante dos Bombeiros de Constância e o vice-Presidente da Liga dos Bombeiros acusam a Proteção Civil de desviar meios do fogo de Mação, em Santarém, que eram essenciais para travar o incêndio. As chamas desceram da Sertã e acabaram por queimar uma casa de habitação.

  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC

  • Bebé Charlie Grad já não vai receber tratamento nos EUA

    Mundo

    A mãe de Charlie Grad disse esta segunda-feira que o bebé poderia ter vivido uma vida normal, caso tivesse começado a receber tratamento cedo. Já o pai admitiu que o filho não iria viver até ao primeiro aniversário. O bebé foi diagnosticado com uma doença rara e um hospital em Inglaterra pediu permissão para desligar a ventilação artificial e fornecer-lhe cuidados paliativos. O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos aceitou e, até hoje, os pais travaram uma batalha na Justiça para suspender a decisão na esperança de irem tratar o filho nos Estados Unidos da América.