sicnot

Perfil

País

Proteção Civil lança alerta por chuva e vento forte

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) lançou hoje um aviso à população de chuva e vento forte entre sábado e segunda-feira, sobretudo no litoral, centro e sul, que poderão provocar inundações e lençóis de água.

JOSE COELHO

Segundo a Proteção Civil, prevê-se "precipitação pontualmente intensa com acumulados que poderão chegar os 60mm/12h", que se estende a todo o território continental, e "vento moderado a forte de quadrante sul (30-50km/h) com rajadas que poderão chegar aos 70km/h", sendo que nas terras altas soprará com intensidade a variar entre os 50-70km/h com possibilidade de ocorrência de rajadas que poderão atingir os 120km/h.

Entre os efeitos possíveis da chuva e vento forte, a ANPC alertou para a possibilidade de cheias rápidas nas cidades, inundações por transbordo de linhas de água nas zonas historicamente mais vulneráveis e inundações de estruturas urbanas subterrâneas com deficiências de drenagem, danos em estruturas montadas ou suspensas, queda de ramos ou árvores, devido ao vento mais forte, e piso rodoviário escorregadio com possível formação de lençóis de água.

"O eventual impacto destes efeitos pode ser minimizado, sobretudo através da adoção de comportamentos adequados", afirmou a Proteção Civil, em comunicado, destacando as zonas historicamente mais vulneráveis, onde recomenda a observação e divulgação das principais medidas de autoproteção para estas situações.

A ANPC apela à população para que garanta "a desobstrução dos sistemas de escoamento das águas pluviais", retirando objetos que possam ser arrastados ou criem obstáculos ao livre escoamento das águas.

A Proteção Civil recomenda uma condução defensiva e que não sejam atravessadas zonas inundadas, de modo a precaver o arrastamento de pessoas ou viaturas para buracos no pavimento ou caixas de esgoto abertas.

Para precaver do vento forte, a ANPC aconselha uma adequada fixação de estruturas soltas e um especial cuidado na circulação e permanência junto de áreas arborizadas, pois é possível ocorrer queda de ramos e árvores.

Entre outras medidas preventivas, a Proteção Civil avisa a população para "ter especial cuidado na circulação junto da orla costeira e zonas ribeirinhas historicamente mais vulneráveis a galgamentos costeiros".

Além disso, pede para que se evite a circulação e permanência nestes locais, assim como "não praticar atividades relacionadas com o mar, nomeadamente pesca desportiva, desportos náuticos e passeios à beira-mar", evitando ainda o estacionamento de veículos na orla marítima.

O aviso à população para precipitação e vento forte foi feito às 14:00 de hoje, após um contacto com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), no Comando Nacional de Operações de Socorro (CNOS) da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

Lusa

  • Chuva e vento forte no fim de semana

    País

    Portugal continental vai estar, no sábado, sob aviso amarelo devido à previsão de chuva forte acompanhada de trovoada e rajadas de vento que podem chegar aos 100 km/hora, informou o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.