sicnot

Perfil

País

Portuguesa detida por tráfico de droga no mesmo voo em que morreu português

A polícia irlandesa que está a investigar a morte do português a bordo de um voo para Dublin descobriu uma mulher que suspeita também ser portuguesa e que alegadamente transportava 1,8 quilogramas de anfetaminas.

© Jon Nazca / Reuters

"Durante a investigação a este incidente, a Gardaí [polícia irlandesa] descobriu o que pensa ser 1,8 quilogramas de anfetaminas na bagagem de uma mulher com cerca de 40 anos que viajava no mesmo voo", disse hoje um porta-voz à agência Lusa.

A mulher, que a polícia pensa ser também de nacionalidade portuguesa, foi detida às 23:00 no aeroporto no âmbito da lei de tráfico de droga.

O mesmo porta-voz da polícia irlandesa confirmou que o voo em causa, entre Lisboa e Dublin, foi desviado para a cidade de Cork porque o jovem português de 25 anos "se tornou agitado", tendo sido assistido por um médico e uma enfermeira que também viajavam no avião.

Porém, o homem acabou por ser declarado morto no aeroporto às 18:40 locais [mesma hora em Lisboa].

"O corpo do homem foi levado para o Hospital da Universidade de Cork onde será realizada uma autópsia esta tarde", disse.

Um outro passageiro que foi ferido na mão, alegadamente mordido enquanto tentava segurar o jovem português, foi tratado no mesmo hospital.

Lusa

  • Avioneta despenha-se em centro comercial de Melbourne

    Mundo

    Uma avioneta com cinco pessoas a bordo caiu num centro comercial perto do aeroporto de Essendon em Melbourne. Segundo a polícia do estado de Vitória tratava-se de um voo charter com destino a King Island, situada entre a parte continental da Austrália e a ilha da Tasmânia.

  • Acha que conhece o seu país?
    27:42
  • Jornalista bielorrusso come jornal após perder aposta

    Desporto

    Vyacheslav Fedorenko, editor de desporto de um importante jornal da Bielorrúsia, apostou que o Dinamo Minsk não chegaria aos play-offs da Kontinental Hockey League (KHL), uma liga internacional dominada por equipas russas. Perdeu e acabou a comer as próprias palavras, impressas em papel.