sicnot

Perfil

País

Município de Lisboa quer tirar 200 sem-abrigo das ruas até 2018

A Câmara de Lisboa anunciou hoje que vai criar um Programa Municipal para a Pessoa Sem-Abrigo (PMPSA) para, entre outros objetivos, tirar 200 das ruas em três anos e facilitar a sua integração social e laboral.

© Rafael Marchante / Reuters

"Muito se tem feito no apoio aos sem-abrigo e só pelo muito que já se fez é que é possível dar este passo. Não é um aumento significativo do investimento, mas pode significar muito na melhoria das condições de vida destas pessoas e acreditamos que é possível tirar 200 pessoas da rua" até 2018, disse à agência Lusa o vereador dos Direitos Sociais, João Afonso.

De acordo com o autarca, o PMPSA visa "racionalizar o que tem sido o investimento municipal, ao nível estratégico e financeiro", feito em parceria com outras entidades, através da renovação e construção de balneários e sanitários (públicos ou de instituições), criação de um programa de saúde de proximidade focado na questão mental, distribuição de quatro equipas técnicas de rua pela cidade (zona ocidental, oriental, centro e centro sul) e ainda a criação de mais quatro Núcleos de Apoio Local (NAL) ajudando 150 sem-abrigo a alimentarem-se no Cais do Sodré/Santos, Avenida da Liberdade/Restauradores, Olivais/Parque das Nações e Campo das Cebolas/Santa Apolónia.

Além disso, prevê-se a redução das vagas temporárias de emergência e, ao invés, a criação de 150 vagas de alojamento e ainda 168 novas respostas de dia ao nível de ocupação profissional e social.

Segundo a versão preliminar do PMPSA, a que a Lusa teve acesso, em novembro arrancam os procedimentos concursais para construção dos novos NAL e para a renovação de balneários, enquanto em dezembro serão lançadas empreitadas para renovação de outros equipamentos.

O objetivo é ter tudo em curso até ao final de 2017, sendo que o programa decorre até 2018.

Em causa está um investimento de perto de 5,8 milhões de euros em três anos, 1,3 milhões dos quais se referem a obras de construção e remodelação, refere o documento.

Na proposta que vai ser apreciada na reunião camarária pública de quarta-feira, o vereador João Afonso salienta que "a elaboração de um programa municipal para as pessoas em situação de sem-abrigo surge da necessidade de reforçar o apoio social e combater a pobreza e a exclusão social desta população, capitalizando por um lado a vasta rede de apoio social existente [...] e por outro contribuindo para a promoção da integração da pessoa sem-abrigo, ao criar e redimensionar respostas que assegurem mais qualidade de vida, de forma a prevenir o agravamento destas situações".

No documento, a que a Lusa teve acesso, o autarca recorda que este programa surge no seguimento do Plano de Cidade para a Pessoa Sem abrigo, aprovado 2009, e do programa de governo da cidade, que "prevê a implementação do Plano para Integração à Pessoa Sem-Abrigo, conforme definido na Estratégia Lisboa-Europa 2020".

Em janeiro deste ano entraram em funcionamento, na cidade, a Unidade de Atendimento para a Pessoa Sem-Abrigo (UAPSA) e o Núcleo de Planeamento e Intervenção para as Pessoas Sem-Abrigo (NPISA), tendo em vista a reorganização das entidades parceiras, a otimização da rede de equipamentos e a implementação de um modelo de intervenção integrada.

Em Lisboa, existem cerca de 600 pessoas em condição de sem-abrigo.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • Cinco unidades fabris em Tondela destruídas pelas chamas
    3:06

    País

    As contas finais dos prejuízos na zona industrial de Tondela ainda não são definitivas, mas há cinco unidades fabris que foram atingidas pelas chamas. O aterro sanitário do Planalto Beirão foi também atingido pelo fogo que atravessou Tondela, onde ardeu o equivalente a 20 anos de resíduos orgânicos.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.