sicnot

Perfil

País

Município de Lisboa quer tirar 200 sem-abrigo das ruas até 2018

A Câmara de Lisboa anunciou hoje que vai criar um Programa Municipal para a Pessoa Sem-Abrigo (PMPSA) para, entre outros objetivos, tirar 200 das ruas em três anos e facilitar a sua integração social e laboral.

© Rafael Marchante / Reuters

"Muito se tem feito no apoio aos sem-abrigo e só pelo muito que já se fez é que é possível dar este passo. Não é um aumento significativo do investimento, mas pode significar muito na melhoria das condições de vida destas pessoas e acreditamos que é possível tirar 200 pessoas da rua" até 2018, disse à agência Lusa o vereador dos Direitos Sociais, João Afonso.

De acordo com o autarca, o PMPSA visa "racionalizar o que tem sido o investimento municipal, ao nível estratégico e financeiro", feito em parceria com outras entidades, através da renovação e construção de balneários e sanitários (públicos ou de instituições), criação de um programa de saúde de proximidade focado na questão mental, distribuição de quatro equipas técnicas de rua pela cidade (zona ocidental, oriental, centro e centro sul) e ainda a criação de mais quatro Núcleos de Apoio Local (NAL) ajudando 150 sem-abrigo a alimentarem-se no Cais do Sodré/Santos, Avenida da Liberdade/Restauradores, Olivais/Parque das Nações e Campo das Cebolas/Santa Apolónia.

Além disso, prevê-se a redução das vagas temporárias de emergência e, ao invés, a criação de 150 vagas de alojamento e ainda 168 novas respostas de dia ao nível de ocupação profissional e social.

Segundo a versão preliminar do PMPSA, a que a Lusa teve acesso, em novembro arrancam os procedimentos concursais para construção dos novos NAL e para a renovação de balneários, enquanto em dezembro serão lançadas empreitadas para renovação de outros equipamentos.

O objetivo é ter tudo em curso até ao final de 2017, sendo que o programa decorre até 2018.

Em causa está um investimento de perto de 5,8 milhões de euros em três anos, 1,3 milhões dos quais se referem a obras de construção e remodelação, refere o documento.

Na proposta que vai ser apreciada na reunião camarária pública de quarta-feira, o vereador João Afonso salienta que "a elaboração de um programa municipal para as pessoas em situação de sem-abrigo surge da necessidade de reforçar o apoio social e combater a pobreza e a exclusão social desta população, capitalizando por um lado a vasta rede de apoio social existente [...] e por outro contribuindo para a promoção da integração da pessoa sem-abrigo, ao criar e redimensionar respostas que assegurem mais qualidade de vida, de forma a prevenir o agravamento destas situações".

No documento, a que a Lusa teve acesso, o autarca recorda que este programa surge no seguimento do Plano de Cidade para a Pessoa Sem abrigo, aprovado 2009, e do programa de governo da cidade, que "prevê a implementação do Plano para Integração à Pessoa Sem-Abrigo, conforme definido na Estratégia Lisboa-Europa 2020".

Em janeiro deste ano entraram em funcionamento, na cidade, a Unidade de Atendimento para a Pessoa Sem-Abrigo (UAPSA) e o Núcleo de Planeamento e Intervenção para as Pessoas Sem-Abrigo (NPISA), tendo em vista a reorganização das entidades parceiras, a otimização da rede de equipamentos e a implementação de um modelo de intervenção integrada.

Em Lisboa, existem cerca de 600 pessoas em condição de sem-abrigo.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.