sicnot

Perfil

País

Município de Lisboa quer tirar 200 sem-abrigo das ruas até 2018

A Câmara de Lisboa anunciou hoje que vai criar um Programa Municipal para a Pessoa Sem-Abrigo (PMPSA) para, entre outros objetivos, tirar 200 das ruas em três anos e facilitar a sua integração social e laboral.

© Rafael Marchante / Reuters

"Muito se tem feito no apoio aos sem-abrigo e só pelo muito que já se fez é que é possível dar este passo. Não é um aumento significativo do investimento, mas pode significar muito na melhoria das condições de vida destas pessoas e acreditamos que é possível tirar 200 pessoas da rua" até 2018, disse à agência Lusa o vereador dos Direitos Sociais, João Afonso.

De acordo com o autarca, o PMPSA visa "racionalizar o que tem sido o investimento municipal, ao nível estratégico e financeiro", feito em parceria com outras entidades, através da renovação e construção de balneários e sanitários (públicos ou de instituições), criação de um programa de saúde de proximidade focado na questão mental, distribuição de quatro equipas técnicas de rua pela cidade (zona ocidental, oriental, centro e centro sul) e ainda a criação de mais quatro Núcleos de Apoio Local (NAL) ajudando 150 sem-abrigo a alimentarem-se no Cais do Sodré/Santos, Avenida da Liberdade/Restauradores, Olivais/Parque das Nações e Campo das Cebolas/Santa Apolónia.

Além disso, prevê-se a redução das vagas temporárias de emergência e, ao invés, a criação de 150 vagas de alojamento e ainda 168 novas respostas de dia ao nível de ocupação profissional e social.

Segundo a versão preliminar do PMPSA, a que a Lusa teve acesso, em novembro arrancam os procedimentos concursais para construção dos novos NAL e para a renovação de balneários, enquanto em dezembro serão lançadas empreitadas para renovação de outros equipamentos.

O objetivo é ter tudo em curso até ao final de 2017, sendo que o programa decorre até 2018.

Em causa está um investimento de perto de 5,8 milhões de euros em três anos, 1,3 milhões dos quais se referem a obras de construção e remodelação, refere o documento.

Na proposta que vai ser apreciada na reunião camarária pública de quarta-feira, o vereador João Afonso salienta que "a elaboração de um programa municipal para as pessoas em situação de sem-abrigo surge da necessidade de reforçar o apoio social e combater a pobreza e a exclusão social desta população, capitalizando por um lado a vasta rede de apoio social existente [...] e por outro contribuindo para a promoção da integração da pessoa sem-abrigo, ao criar e redimensionar respostas que assegurem mais qualidade de vida, de forma a prevenir o agravamento destas situações".

No documento, a que a Lusa teve acesso, o autarca recorda que este programa surge no seguimento do Plano de Cidade para a Pessoa Sem abrigo, aprovado 2009, e do programa de governo da cidade, que "prevê a implementação do Plano para Integração à Pessoa Sem-Abrigo, conforme definido na Estratégia Lisboa-Europa 2020".

Em janeiro deste ano entraram em funcionamento, na cidade, a Unidade de Atendimento para a Pessoa Sem-Abrigo (UAPSA) e o Núcleo de Planeamento e Intervenção para as Pessoas Sem-Abrigo (NPISA), tendo em vista a reorganização das entidades parceiras, a otimização da rede de equipamentos e a implementação de um modelo de intervenção integrada.

Em Lisboa, existem cerca de 600 pessoas em condição de sem-abrigo.

Lusa

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.