sicnot

Perfil

País

Embaixador acusa Portugal de querer "diabolizar Angola"

O embaixador angolano em Lisboa acusou Portugal de utilizar o caso dos 15 ativistas detidos em Luanda como "pretexto" para voltar a "diabolizar Angola", ironizando que no país se fala mais de Luaty Beirão do que do Papa.

Lusa

Em declarações citadas hoje no Jornal de Angola, o embaixador José Marcos Barrica condena a "insistente diabolização de Angola" por parte de alguns "setores maléficos" da sociedade portuguesa.

"O problema do cidadão Luaty Beirão [um dos 15 ativistas em prisão preventiva desde junho] é apenas um pretexto para fazer ressurgir aquilo que em Portugal sempre se pretendeu: diabolizar Angola", apontou o embaixador Marcos Barrica.

Em causa está o caso dos ativistas acusados formalmente, desde setembro, de atos preparatórios para uma rebelião e um atentado contra o Presidente angolano, com início do julgamento agendado para 16 de novembro, no Tribunal Provincial de Luanda.

Um destes é 'rapper' e ativista Luaty Beirão, angolano, de 33 anos, também com nacionalidade portuguesa, e que cumpre hoje o 35.º dia de greve de fome numa clínica privada de Luanda, onde se encontra sob detenção, exigindo aguardar julgamento em liberdade.

Na mesma declaração, o diplomata diz assistir hoje, em Lisboa, "a uma campanha para denegrir a imagem de Angola e abafar as suas conquistas alcançadas ao longo dos 40 anos de independência, por causa de um indivíduo que em Portugal é mais falado que o Papa".

"Fiel aos bons costumes e ao princípio de não-ingerência, jamais Angola ousou questionar ou exercer pressão de qualquer espécie sobre decisões de entidades portuguesas, por constituírem assuntos internos deste Estado soberano", diz.

Em vários países europeus, nomeadamente Portugal, sucedem-se vigílias e manifestações de apoio ao grupo dos 15 detidos, apelos ao fim da greve de fome de Luaty Beirão e pedidos dirigidos ao Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, para libertar os ativistas.

Para o embaixador angolano, essa pretensão constituiria uma violação ao princípio da separação de poderes: "O Presidente da República não pode fazer o papel que cabe aos tribunais, interferindo no tratamento de matéria sob a alçada do poder judicial", afirma Marcos Barrica.

Lusa

  • Atacantes usaram "tática defendida pelos extremistas do Daesh"
    1:43

    Ataque em Barcelona

    O ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo esteve em direto, para a SIC Notícias, onde falou sobre o ataque desta quinta-feira nas Ramblas, em Barcelona. José Manuel Anes falou na tática defendida na revista dos extremistas do Daesh e que foi usada neste ataque: a utilização de viaturas "de preferência as mais pesadas para matar o maior número de pessoas".