sicnot

Perfil

País

Embaixador acusa Portugal de querer "diabolizar Angola"

O embaixador angolano em Lisboa acusou Portugal de utilizar o caso dos 15 ativistas detidos em Luanda como "pretexto" para voltar a "diabolizar Angola", ironizando que no país se fala mais de Luaty Beirão do que do Papa.

Lusa

Em declarações citadas hoje no Jornal de Angola, o embaixador José Marcos Barrica condena a "insistente diabolização de Angola" por parte de alguns "setores maléficos" da sociedade portuguesa.

"O problema do cidadão Luaty Beirão [um dos 15 ativistas em prisão preventiva desde junho] é apenas um pretexto para fazer ressurgir aquilo que em Portugal sempre se pretendeu: diabolizar Angola", apontou o embaixador Marcos Barrica.

Em causa está o caso dos ativistas acusados formalmente, desde setembro, de atos preparatórios para uma rebelião e um atentado contra o Presidente angolano, com início do julgamento agendado para 16 de novembro, no Tribunal Provincial de Luanda.

Um destes é 'rapper' e ativista Luaty Beirão, angolano, de 33 anos, também com nacionalidade portuguesa, e que cumpre hoje o 35.º dia de greve de fome numa clínica privada de Luanda, onde se encontra sob detenção, exigindo aguardar julgamento em liberdade.

Na mesma declaração, o diplomata diz assistir hoje, em Lisboa, "a uma campanha para denegrir a imagem de Angola e abafar as suas conquistas alcançadas ao longo dos 40 anos de independência, por causa de um indivíduo que em Portugal é mais falado que o Papa".

"Fiel aos bons costumes e ao princípio de não-ingerência, jamais Angola ousou questionar ou exercer pressão de qualquer espécie sobre decisões de entidades portuguesas, por constituírem assuntos internos deste Estado soberano", diz.

Em vários países europeus, nomeadamente Portugal, sucedem-se vigílias e manifestações de apoio ao grupo dos 15 detidos, apelos ao fim da greve de fome de Luaty Beirão e pedidos dirigidos ao Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, para libertar os ativistas.

Para o embaixador angolano, essa pretensão constituiria uma violação ao princípio da separação de poderes: "O Presidente da República não pode fazer o papel que cabe aos tribunais, interferindo no tratamento de matéria sob a alçada do poder judicial", afirma Marcos Barrica.

Lusa

  • "Claramente que há mandantes e que foi uma operação organizada"
    4:14

    Crise no Sporting

    Os 23 detidos por suspeitas de terem participado no ataque à Academia de Alcochete ficaram em prisão preventiva. Miguel Sousa Tavares considera que a decisão "é mais para ser exemplar". O comentador da SIC acredita que há mandantes e que esta foi uma "operação organizada". Sousa Tavares diz ainda que os "políticos não têm coragem para impor as leis" e que em Portugal "brinca-se com a lei".

    Miguel Sousa Tavares

  • "Sempre nos disseram que bastava o Aves ganhar para estar na Liga Europa"
    0:34

    Desporto

    O Presidente da SAD do Desportivo das Aves garante que não houve esquecimento ou atraso na inscrição do clube na Liga Europa. Luiz Andrade afirma que sempre lhe disseram que bastava vencer a Taça de Portugal para marcar presença na competição e que ainda não sabe se o clube pode ou não jogar a fase de grupos da competição europeia.

  • "Fui violada por Harvey Weinstein aqui em Cannes"
    1:02

    Cultura

    A cerimónia de encerramento do Festival de Cinema de Cannes ficou ainda marcada pelo discurso de Asia Argento. A atriz italiana que acusou Harvey Weinstein de a ter violado justamente numa das edições do festival de Cannes, e que há mais abusadores à solta.

  • As primeiras imagens das quatro crias da lince Malva
    0:20
  • Exército sírio declara Damasco "totalmente segura"

    Mundo

    O exército sírio proclamou esta segunda-feira a capital Damasco e também os arredores, como locais "totalmente seguros". O anúncio foi feito em clima de festa, depois de os militares terem reconquistado os bairros do sul da cidade, até agora nas mãos do Daesh.

  • Jovem britânico em fuga é detido depois de responder à polícia no Facebook

    Mundo

    Através do Facebook, a polícia de West Yorkshire mostrou-se preocupada perante o desaparecimento de um jovem de 21 anos e pediu por informações que pudessem leva-los a descobrir Leon Smith. Contudo, o que não deveriam estar à espera, era que o próprio desaparecido respondesse na rede social e que desafiasse a polícia a "fazer o seu trabalho". As autoridades acabaram por localizar o jovem no mesmo dia.

    SIC