sicnot

Perfil

País

Embaixador acusa Portugal de querer "diabolizar Angola"

O embaixador angolano em Lisboa acusou Portugal de utilizar o caso dos 15 ativistas detidos em Luanda como "pretexto" para voltar a "diabolizar Angola", ironizando que no país se fala mais de Luaty Beirão do que do Papa.

Lusa

Em declarações citadas hoje no Jornal de Angola, o embaixador José Marcos Barrica condena a "insistente diabolização de Angola" por parte de alguns "setores maléficos" da sociedade portuguesa.

"O problema do cidadão Luaty Beirão [um dos 15 ativistas em prisão preventiva desde junho] é apenas um pretexto para fazer ressurgir aquilo que em Portugal sempre se pretendeu: diabolizar Angola", apontou o embaixador Marcos Barrica.

Em causa está o caso dos ativistas acusados formalmente, desde setembro, de atos preparatórios para uma rebelião e um atentado contra o Presidente angolano, com início do julgamento agendado para 16 de novembro, no Tribunal Provincial de Luanda.

Um destes é 'rapper' e ativista Luaty Beirão, angolano, de 33 anos, também com nacionalidade portuguesa, e que cumpre hoje o 35.º dia de greve de fome numa clínica privada de Luanda, onde se encontra sob detenção, exigindo aguardar julgamento em liberdade.

Na mesma declaração, o diplomata diz assistir hoje, em Lisboa, "a uma campanha para denegrir a imagem de Angola e abafar as suas conquistas alcançadas ao longo dos 40 anos de independência, por causa de um indivíduo que em Portugal é mais falado que o Papa".

"Fiel aos bons costumes e ao princípio de não-ingerência, jamais Angola ousou questionar ou exercer pressão de qualquer espécie sobre decisões de entidades portuguesas, por constituírem assuntos internos deste Estado soberano", diz.

Em vários países europeus, nomeadamente Portugal, sucedem-se vigílias e manifestações de apoio ao grupo dos 15 detidos, apelos ao fim da greve de fome de Luaty Beirão e pedidos dirigidos ao Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, para libertar os ativistas.

Para o embaixador angolano, essa pretensão constituiria uma violação ao princípio da separação de poderes: "O Presidente da República não pode fazer o papel que cabe aos tribunais, interferindo no tratamento de matéria sob a alçada do poder judicial", afirma Marcos Barrica.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.