sicnot

Perfil

País

Remoção de arrastão na Figueira da Foz suspensa devido ao mau tempo

As operações de remoção do arrastão que naufragou há três semanas à entrada da barra da Figueira da Foz foram suspensas esta terça-feira devido ao mau tempo e deverão continuar na quarta-feira, disse fonte da autoridade marítima.

No arrastão Olívia Ribau naufragado no dia 6, à entrada do porto da Figueira da Foz, seguiam sete pescadores.

No arrastão Olívia Ribau naufragado no dia 6, à entrada do porto da Figueira da Foz, seguiam sete pescadores.

PAULO NOVAIS / Lusa

Em declarações à agência Lusa, o comandante do Porto da Figueira da Foz, Silva Rocha, disse que as operações foram suspensas devido à ondulação que levou ao encerramento da barra e que impede os trabalhos naquela zona do rio Mondego, junto ao molhe sul e também no próprio molhe, onde foram instalados ganchos hidráulicos para puxar o arrastão.

Silva Rocha frisou que os ganchos "vão ser reposicionados" na quarta-feira de modo a que a embarcação seja puxada mais para perto do molhe sul, operação que decorreu, em parte, na segunda-feira, "com êxito", frisou.

Numa segunda fase, o arrastão Olívia Ribau - que continua submerso e em posição invertida, numa zona entre os molhes sul e interior sul do rio Mondego, interdita à navegação - será rodado e posto a flutuar, prevendo-se que possa vir a ser rebocado até às instalações dos Estaleiros Navais do Mondego, a montante do local onde se encontra, para ali ser reparado, indicou.

O comandante do porto disse ainda que o local onde se encontra a embarcação afundada está sinalizado com uma boia vermelha luminosa, tendo ainda sido colocadas barreiras flutuantes em redor do navio, de modo a prevenir eventuais derrames de combustível.

No arrastão Olívia Ribau naufragado no dia 6, à entrada do porto da Figueira da Foz, seguiam sete pescadores. Dois foram resgatados com vida, uma hora depois do acidente, por uma moto de água da Polícia Marítima, e cinco morreram.

Entretanto, em portaria publicada em Diário da República, o ministério da Defesa, através da Autoridade Marítima Nacional, concedeu ao agente da Polícia Marítima Carlos Santos "pelo importante serviço prestado na salvação" dos dois náufragos, a medalha de Coragem, Abnegação e Humanidade, Grande Ouro.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.