sicnot

Perfil

País

Ministério Público pede prisão efetiva para homicida confesso em hospedaria do Porto

O Ministério Público (MP) pediu esta segunda-feira prisão "necessariamente" efetiva para um homem que em tribunal confessou ter matado outro com uma faca, a 1 de janeiro de 2015, numa hospedaria do Porto.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

Durante as alegações finais, no Tribunal São João Novo, no Porto, a procuradora do MP frisou que o arguido, que confessou o crime no início do julgamento, a 05 de outubro, agiu com "frieza de ânimo" e "dolo intenso", mostrando "desprezo" pela vida humana.

A 1 de janeiro de 2015, o homicida confesso, com problemas de alcoolismo e toxicodependência, matou o marido da responsável da hospedaria onde estava alojado desde novembro de 2014 com uma faca, tendo, posteriormente, fugido, entregando-se à PSP horas depois.

O arguido tentou ainda matar a responsável pela hospedaria, mulher da vítima mortal, atingindo-a na zona do abdómen, obrigando-a a receber tratamento hospitalar.

Os dois homens ter-se-ão desentendido por causa de uma televisão, que o homicida confesso queria levar da hospedaria.

O MP considerou que o arguido só não matou a mulher porque esta conseguiu "escapulir-se", caracterizando o crime como de "ilicitude muito elevada".

O facto de o homem ter confessado o crime não é para o MP "relevante".

A advogada de defesa realçou que o arguido tem "consciência da gravidade dos factos", mas pediu que o coletivo de juízes tivesse em conta que não tem antecedentes criminais, confessou o crime, mostrou arrependimento e chamou o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) para socorrer as vítimas.

Em prisão preventiva, o homicida repetiu hoje estar arrependido porque "ninguém tem o direito de tirar a vida a ninguém", frisando não ter feito "boa ação".

A leitura do acórdão está agendada para dia 26, às 14:00.

Lusa

  • Dirigentes do GD Ribeirão acusados de auxílio à emigração ilegal
    1:34

    Desporto

    Oito dirigentes do Grupo Desportivo de Ribeirão, um clube de Vila Nova de Famalicão que fechou as portas em 2015, foram acusados pelo Ministério Público.Em causa, estão suspeitas de auxílio à emigração ilegal ou falsificação de documentos, relacionadas com transferências de jogadores estrangeiros em situação ilegal.

  • O primeiro eclipse solar do ano
    0:57
  • O Nokia 3310 está de volta
    1:16