sicnot

Perfil

País

Chuva mantém-se em Portugal continental

A chuva vai manter-se em Portugal nos próximos dias, segundo a meteorologia, mas sem situações de alerta para o continente e ilhas, depois do mau tempo que afetou o Algarve no fim de semana passado.

As chuvas intensas que atingiram o Algarve no domingo passado, provocaram inundações em vários concelhos, nomeadamente em Loulé, Albufeira, Portimão, Olhão e Silves, sendo um dos casos mais problemáticos em Albufeira, onde a Proteção Civil teve de retirar pessoas de habitações e estabelecimentos comerciais inundados, havendo também a registar um morto em Boliqueime.

O mau tempo levou mesmo o presidente da câmara de Albufeira a pedir, na segunda-feira, que fosse decretado o estado de calamidade pública para o concelho, devido aos "danos elevados" provocados pelas inundações de domingo no concelho.

Para hoje, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) prevê céu geralmente muito nublado, com períodos de chuva, sendo em geral fraca na região sul.

Também o vento será fraco a moderado (10 a 30 km/h), do quadrante sul, sendo do quadrante oeste na região sul até ao início da manhã, soprando por vezes moderado a forte (30 a 45 km/h) nas terras altas.

Para a zona da grande Lisboa, o IPMA prevê céu geralmente muito nublado, com possibilidade de ocorrência de períodos de chuva fraca. O vento tende a soprar em geral fraco (inferior a 20 km/h), do quadrante sul, tornando-se moderado (20 a 30 km/h) a partir da tarde.

Na área do grande Porto o céu vai estar muito nublado ou encoberto, com abertas a partir do meio da manhã. Estão previstos também períodos de chuva, diminuindo de intensidade e frequência a partir do final da manhã, com vento fraco a moderado (10 a 30 km/h) do quadrante sul.

Quanto ao estado do mar, na costa ocidental estão previstas ondas de noroeste com 1,5 a 2,5 metros, enquanto na costa sul as ondas vão ser de sudoeste, também com 1,5 a 2,5 metros, diminuindo gradualmente para 1 a 1,5 metros.

Em relação às temperaturas, em Lisboa estas vão oscilar entre 12 e 19 graus Celsius, no Porto entre 15 e 18, em Braga entre 13 e 19, em Viana do Castelo entre 14 e 19, em Vila Real entre 14 e 19, em Bragança e Viseu entre 10 e 14, em Coimbra entre 14 e 18, em Leiria entre 14 e 20, na Guarda entre 8 e 11, em Castelo Branco entre 11 e 17, em Santarém entre 11 e 20, em Évora entre 10 e 19, em Beja entre 11 e 20, em Faro entre 14 e 20, no Funchal entre 17 e 23, em Angra do Heroísmo e Santa Cruz entre 13 e 19.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.