sicnot

Perfil

País

Feira Popular de Lisboa vai funcionar em Carnide como parque urbano com 20 hectares

A Feira Popular de Lisboa vai mudar-se para Carnide e funcionar como um parque urbano de 20 hectares, um projeto "muito ambicioso" que a Câmara de Lisboa quer abrir "o mais rápido possível", foi hoje anunciado.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Hannibal Hanschke / Reuters

"Este não vai ser só um local de divertimento, vai ser um grande parque de lazer com 20 hectares, quatro vezes maior" do que era a feira em Entrecampos, onde deixou de funcionar há mais de dez anos, afirmou o presidente do município lisboeta, Fernando Medina (PS).

O responsável especificou que a nova Feira Popular vai estar na "zona imediatamente contígua à estação de metro da Pontinha", com acessos à Segunda Circular, à CRIL e ao IC19.

"É local de excelência para todos", salientou.

Questionado sobre prazos, o responsável indicou que "este não é o momento para determinar e apresentar um calendário", frisando, contudo, que o objetivo é abrir a feira "o mais cedo possível".

"Vamos fazer tudo para que, gradualmente, venha a ser de usufruto da cidade e dos lisboetas", garantiu.

O autarca, que falava em conferência de imprensa nos Paços do Concelho, em Lisboa, acrescentou que esta é uma forma também de "requalificar esta zona da cidade e dar-lhe a regeneração que tanto precisa".

Segundo Fernando Medina, a "terceira casa" da Feira Popular será "diferente" da anterior, já que funcionará num "local muito maior" e terá muito mais espaços verdes.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.