sicnot

Perfil

País

Laboratório português lidera investigação que quer tornar invioláveis dados 'em nuvem'

Uma aplicação para telemóveis, que permite tirar fotografias, guardá-las na 'nuvem' (espaço de armazenamento virtual) e que garante a total privacidade e integridade dos documentos, pode chegar ao mercado até ao final do ano, adiantou o coordenador do projeto.

© Jason Lee / Reuters

O 'Safe Cloud' (Nuvem Segura) é o projeto de investigação liderado pelo Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC), com financiamento da Comissão Europeia, que contribuiu com três milhões de euros para o projeto que pretende tornar invioláveis todos os dados armazenados virtualmente, independentemente de quem seja o proprietário dos servidores e computadores, onde a informação esteja guardada.

A aplicação, que deverá ficar disponível até ao final do ano em várias plataformas e sistemas operativos, será gratuita para o utilizador final, e pretende ser o instrumento para chamar a atenção para os objetivos do projeto, explicou o coordenador Rui Oliveira à Lusa.

Privacidade, integridade dos dados e segurança na transmissão da informação para a 'cloud' (nuvem) são os objetivos da investigação que tem por objetivo desenvolver 'software' e tecnologia de acesso público, que possa ser utilizado por cada cidadão, a nível individual, mas que também possa servir objetivos e necessidades de segurança das empresas.

Uma das empresas parceiras do projeto, e que trabalha com análises clínicas, poderá ser um dos beneficiários imediatos do projeto, referiu Rui Oliveira.

"Não se pode pôr informação desta na 'nuvem' sem total garantia de privacidade. Estas empresas não podem ainda tirar partido das possibilidades da 'nuvem'", disse.

Rui Oliveira disse que as garantias de privacidade atualmente existentes se traduzem em algo "muito vago", como acordos de utilização em que as empresas detentoras da tecnologia que permite armazenar informação de forma virtual se comprometem a "não vasculhar" o que é guardado e a defender a informação de ataques de 'hackers' (piratas informáticos).

"Um objetivo deste projeto é que, de uma forma criptograficamente segura, nada na 'cloud' possa ser acedido por 'hackers' nem pelos donos da nuvem", explicou o coordenador do 'Safe Cloud', que acrescentou que, com o 'software' que está a ser desenvolvido, a confiança nas garantias de privacidade dadas pela empresa que fornece o serviço deixa de ser necessária.

Outros dos objetivos passa pela garantia da integridade dos dados, impedindo qualquer manipulação, adulteração ou até eliminação de informação guardada na 'nuvem' sem que essa violação dos dados seja "absolutamente visível" para o dono da informação.

O 'Safe Cloud' pretende ainda tornar absolutamente seguro o processo de armazenamento, ao garantir que durante a comunicação dos dados do dispositivo para a 'nuvem' não seja possível qualquer intervenção ou ataque externo.

Poderá ainda ser possível através da aplicação ter uma identificação de quem violou a privacidade ou integridade da informação.

O projeto envolve 30 investigadores de laboratórios, universidades e empresas de Portugal, Suíça, Alemanha e Estónia.

Lusa

  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • "A isto chama-se pura hipocrisia"
    1:13

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho classifica a atuação do Governo na gestão da Caixa Geral de Depósitos como um "manual de cinismo político insuportável", declarações feitas pelo líder do PSD durante a reunião do Conselho Nacional em Lisboa.

  • O momento em que Trump quis ser um camionista

    Mundo

    O Presidente norte-americano Donald Trump reuniu-se esta quinta-feira com representantes da indústria de camionagem. Não é apenas do encontro que lhe falamos, mas principalmente da invulgar receção feita por Trump, que entrou para um camião, fingiu que o conduzia e buzinou... em pleno jardim da Casa Branca.

  • FBI investiga possível campanha de espiões russos contra Hillary
    0:57

    Mundo

    A suspeita de ligação entre a equipa de Donald Trump e operacionais russos está a aumentar. A CNN diz que a equipa do Presidente do Estados Unidos da América se coordenou com os russos para atingir Hillary Clinton. O FBI está a investigar registos telefónicos, de viagens, relatórios e transações para offshores.

  • Mais de 20 milhões estão a morrer à fome em África

    Mundo

    África enfrenta a maior crise desde 1945, com mais de 20 milhões de pessoas a morrer de fome em três países, Sudão do Sul, Somália e Nigéria, disse esta quinta-feira um responsável do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas.

  • Jovem violada em direto no Facebook não se sente em segurança

    Mundo

    A jovem de 15 anos que foi abusada sexualmente por cinco ou seis homens durante um vídeo em direto para o Facebook está a receber tratamento. A mãe da jovem deu uma entrevista, na qual disse que a filha já não se sente em segurança na sua vizinhança, depois de receber ameaças na internet.

  • Menina "rouba" chapéu ao Papa
    0:27

    Mundo

    Estella Westrick tem apenas três anos, mas já conseguiu chegar aos jornais de todo o mundo, depois de "roubar" o chapéu do Papa. Durante uma visita da família na quarta-feira ao Vaticano, a criança - que não parece estar muito contente no vídeo - foi pegada ao colo por um dos funcionários do Vaticano, que a levou depois até ao Papa. Nesta altura, Estella aproveitou para tirar o solidéu episcopal, arrancando gargalhadas de toda a gente, especialmente do Papa Francisco.

  • O edifício mais longo do mundo

    Mundo

    Se pensa que já viu tudo em relação aos edifícios mais longos e complexos do mundo, pense duas vezes. O edifício mais longo do mundo pode estar prestes a chegar e promete fazer de Nova Iorque uma cidade ainda mais atrativa.