sicnot

Perfil

País

Trabalhadores da Unicer marcam greve de uma hora por turno

Os trabalhadores da Unicer que participaram nos vários plenários realizados esta semana decidiram fazer uma hora de greve por turno em todos os setores da empresa entre os dias 16 e 20 deste mês, disse à Lusa fonte sindical.

(Arquivo)

(Arquivo)

SIC

Fernando Rodrigues, do Sindicato dos Trabalhadores da Agricultura e das Indústrias de Alimentação, Bebidas e Tabacos de Portugal (SINTAB), disse à Lusa que, depois de uma ronda de plenários que começou em Leça do Balio, passou por Santarém e foi concluída hoje em Oeiras e Loures, os trabalhadores decidiram avançar para a greve, tendo o pré-aviso sido remetido para o Ministério da Economia.

A greve é a primeira ação de um protesto que poderá passar por outras formas de luta, caso não seja suficiente para levar a administração da Unicer a voltar atrás na decisão de encerrar a fábrica de refrigerantes que possui em Santarém, onde trabalham 70 pessoas, e ainda na reestruturação que levará ao despedimento de outras 70.

O sindicalista referiu que a greve poderá "parar a produção duas ou três horas seguidas", tendo em conta as diferenças dos turnos dos vários setores da empresa.

Fernando Rodrigues afirmou que, desde que foi apresentada a primeira moção aprovada pelos trabalhadores, alguns dias depois do anúncio feito pela Unicer a 08 de outubro, a administração apenas recebeu a Comissão de Trabalhadores à qual comunicou que a decisão "é irreversível", podendo, contudo, o número de trabalhadores a ser dispensados ser menor.

Na moção aprovada na ronda de plenários realizada esta semana, os trabalhadores mandataram os sindicatos para o agendamento de outras formas de luta "que mostrem à administração da Unicer o reforço do repúdio pelas decisões anunciadas a 08 de outubro e pelo modo como a sua execução tem vindo a ser posta em prática".

Esses protestos poderão passar pelo pedido de audiências na embaixada da Dinamarca em Lisboa e com o Ministério da Economia, acompanhadas por manifestações dos trabalhadores.

A Unicer tem reafirmado estar disponível para manter o diálogo com os trabalhadores e as organizações que os representam, bem como o seu empenho em "minimizar o impacto das medidas anunciadas" junto dos 140 trabalhadores afetados no processo (70 em Santarém e 70 da estrutura central e de apoio ao negócio).

A empresa reafirma a necessidade de reajuste da sua estrutura pela retração dos mercados, nomeadamente o angolano, e para garantir a sua sustentabilidade.

Os sindicatos questionam o que leva uma empresa que teve lucros de 30 milhões de euros em 2014 a encerrar a unidade e a despedir trabalhadores, entregando parte da produção a uma concorrente (onde admite colocar 25 dos 70 funcionários de Santarém).

Lusa

  • "A Minha Outra Pátria": o drama da Venezuela no Jornal da Noite
    2:12

    Reportagem Especial

    Quase cinco mil emigrantes regressaram à Madeira nos últimos meses por causa da crise económica, social e política na Venezuela. Os pedidos de ajuda ao Governo Regional dispararam. Muitos luso-venezuelanos voltaram às origens com pouco mais do que a roupa do corpo. "A Minha Outra Pátria", Reportagem Especial de hoje.

  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • Como fugir às comissões bancárias
    7:24

    Contas Poupança

    Há muitos casos em que ter uma conta no banco está a dar prejuízo. Os juros são tão baixos e as comissões de manutenção de conta são tão altas que há portugueses que todos os meses perdem dinheiro apenas porque têm dinheiro no banco. O Contas Poupança foi à procura de alternativas.

  • Governo reconhece seca severa no continente desde 30 de junho

    País

    O Governo reconheceu, hoje, a existência de uma situação de seca severa no território continental, desde 30 de junho, que consubstancia um fenómeno climático adverso, com repercussões negativas na atividade agrícola, em despacho publicado hoje em Diário da República.

  • Produtores de maçã de Armamar dizem não ter recebido resposta do Ministério
    2:14

    País

    Os produtores de maçã de Armamar estão preocupados. Parte da produção foi destruída pelo mau tempo. Contudo, duas semanas depois, ainda não há resposta do Ministério da Agricultura aos pedidos de ajuda. Mais de 60 produtores com 800 hectares foram afetados e as árvores atingidas pelo granizo podem não conseguir produzir no próximo ano.

  • Bebé Charlie Grad já não vai receber tratamento nos EUA

    Mundo

    A mãe de Charlie Grad disse esta segunda-feira que o bebé poderia ter vivido uma vida normal, caso tivesse começado a receber tratamento cedo. Já o pai admitiu que o filho não iria viver até ao primeiro aniversário. O bebé foi diagnosticado com uma doença rara e um hospital em Inglaterra pediu permissão para desligar a ventilação artificial e fornecer-lhe cuidados paliativos. O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos aceitou e, até hoje, os pais travaram uma batalha na Justiça para suspender a decisão na esperança de irem tratar o filho nos Estados Unidos da América.

  • Número de mortos em atentado em Cabul sobe para 31

    Mundo

    O número de mortos no atentado com um carro armadilhado atribuído aos talibãs, esta segunda-feira de manhã em Cabul, subiu para 31, aos quais se somam cerca de 40 feridos, de acordo com um novo balanço das autoridades.

  • Pelo menos cinco feridos em ataque na cidade suíça de Schaffhausen

    Mundo

    Pelo menos cinco pessoas ficaram hoje feridas na sequência de um ataque, na cidade suíça de Schaffhausen. De acordo com as autoridades, as vítimas foram atacadas por um homem armado com uma motosserra, que está a ser procurado pela polícia. As autoridades descartaram a hipótese de "ato terrorista".

  • Oposição pressiona Maduro com anúncio de manifestações e greve geral
    1:34