sicnot

Perfil

País

Quatro anos de pena suspensa por despiste que matou 11 pessoas

O motorista do autocarro que se despistou na Sertã há dois anos, provocando a morte a 11 dos 44 passageiros, foi hoje condenado a quatro anos de prisão, com pena suspensa. O homem foi condenado por 11 crimes de homicídio por negligência.

(SIC)

(SIC)

O homem foi condenado por 11 crimes de homicídio por negligência, sendo que a moldura pena para este tipo de crime variava entre os 11 e os 120 meses.

O Tribunal de Castelo Branco entendeu aplicar uma pena única de quatro anos de prisão com pena suspensa por igual período face à inexistência de antecedentes criminais e ao facto de o condutor estar devidamente inserido na sociedade.

No final da leitura da sentença, o advogado de defesa do condutor não quis prestar declarações aos jornalistas.

Contudo, quando questionado pela agência Lusa sobre se iria recorrer, limitou-se a dizer que vai ler "com atenção" o acórdão e que "vai pensar".

O condutor estava igualmente acusado de dois crimes de ofensa à integridade física, mas os envolvidos optaram por retirar a queixa.

O Tribunal deu como provados todos os factos da acusação referentes às condições da estrada e ao piso molhado.

Quanto à sinalética no local, a juíza disse que o tribunal "deu apenas como provado a existência de dois sinais verticais (um de lomba) e um sinal limitador de velocidade de 50 quilómetros por hora".

"Toda a demais sinalética o tribunal não deu como provado", adiantou.

A juíza sublinhou ainda que considerou por referência às diligências periciais que o autocarro circulava "a uma velocidade de aproximadamente 100 quilómetros por hora".

Contudo, segundo o tribunal, "a velocidade não foi determinante para o despiste", mas sim a "desatenção" do condutor após a ultrapassagem do ressalto que, "tentando corrigir a trajetória, guinou bruscamente e fez com que perdesse o controlo".

"Antes da primeira depressão, disse [o condutor] que não se apercebeu porque estava a olhar para o retrovisor [um dos passageiros sentiu-se mal dentro da viatura]. Nas suas declarações assume essa desatenção que no entender do tribunal implicou que não conseguisse evitar todos os fatores de perigo", disse a juíza.

Durante o julgamento, a procuradora do Ministério Público (MP) tinha já pedido pena de prisão suspensa na sua execução para 11 crimes de homicídio por negligência.

O MP alegou a velocidade excessiva a que circulava o autocarro no Itinerário Complementar (IC) 8, que, a par de um ressalto brusco, terão estado na origem do acidente.

"Era exigível que o condutor tivesse uma especial precaução na condução, o que não fez", disse a procuradora do MP nas alegações finais, realçando ainda que se tratava de um condutor profissional e experiente.

Já a defesa do condutor, também nas alegações finais, assumiu que este tem responsabilidades, mas que não devia estar sozinho no tribunal.

"A parte mais fraca é a que está aqui, quando deviam estar outros", afirmou.

Com Lusa

  • O papel da religião no quotidiano
    24:57
  • Jane Goodall iniciou palestra com sons semelhantes aos dos chimpanzés
    2:18

    País

    A investigadora Jane Goodall esteve esta quinta-feira em Lisboa para participar numa conferência da National Geographic. A primatóloga começou o seu discurso com sons semelhantes aos dos chimpanzés. Numa entrevista à SIC, Goodall falou sobre os chimpanzés e sobre o trabalho que continua a desenvolver em todo o mundo, em prol do ambiente, dos animais e das pessoas. 

  • NATO vai aumentar luta contra o terrorismo

    Mundo

    O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse que os aliados da NATO concordaram esta quinta-feira em aumentar a luta contra o terrorismo e em "investir mais e melhor" na Aliança.

  • Trump empurra líder do Montenegro para ficar à frente na fotografia

    Mundo

    A reunião de líderes dos Estados-membros da NATO, que decorreu esta quinta-feira em Bruxelas, na Bélgica, ficou marcada por um momento insólito em que o Presidente norte-americano não quis abdicar de ficar no melhor plano possível nas fotografias de grupo. Nem que para isso tenha sido necessário empurar o líder de outro país.

  • O humor de John Kerry nas críticas a Trump
    0:40

    Mundo

    John Kerry criticou as ligações de Donald Trump com a Rússia durante um discurso de abertura, na Universidade de Harvard. O ex-secretário de Estado norte-americano disse, em tom de brincadeira, que se os jovens querem vingar na política, devem primeiro aprender a falar russo.