sicnot

Perfil

País

Tribunal deteta irregularidades em contas das eleições nos Açores em 2012

O Tribunal Constitucional detetou irregularidades nas contas apresentadas por várias candidaturas às eleições para o parlamento dos Açores em outubro de 2012, como donativos indiretos e despesas faturadas depois das eleições, divulgou hoje aquela entidade.

A auditoria das contas, feita pela Entidade das Contas e Financiamentos Políticos (ECFP), identificou imputações comuns a várias candidaturas, tais como ações e ou meios de campanha não refletidos nas contas da campanha, refere um acórdão, com data de 02 de novembro.

De acordo com o documento, entre as irregularidades conta-se também a omissão da publicação do anúncio de identificação do mandatário financeiro e não apresentação do balanço ou anexo às contas da campanha, bem como donativos indiretos e de pessoa coletiva.

Contribuições para a campanha não certificadas pelos órgãos competentes, falta de evidência do encerramento da conta bancária da campanha, documentação de prestação de contas não assinados pelos mandatários financeiros, inelegibilidade de despesas e falta de explicação de despesas ou receitas e despesas faturadas após o ato eleitoral são outras das irregularidades detetadas.

O Tribunal Constitucional apreciou e fiscalização as contas da campanha eleitoral do BE, CDU, MPT, PAN, PCTP/MRPP, PDA, CDS-PP, PPM, Plataforma de Cidadania (PPM-PND), PSD, PS e PTP.

Nas contas das candidaturas do Bloco de Esquerda (BE), Partido pelos Animais e pela Natureza (PAN), CDU e PSD, por exemplo, foram detetados donativos indiretos, que correspondem a pagamentos de despesas por terceiros (combustíveis, telecomunicações, transportes, alimentação ou alojamento), ainda que a título de adiantamentos posteriormente reembolsados pela conta da campanha.

Segundo lembrou o acórdão do TC, "todas as despesas da campanha são pagas através da conta bancária para o efeito aberta pelas candidaturas e qualquer pagamento de despesas realizado por terceiros, em benefício da candidatura, corresponde a uma receita proibida, porque obtida de forma não admitida por lei".

No contraditório todos os partidos alegam que "muitas vezes são os apoiantes, no local, que realizam as despesas necessárias" e que, "muitas vezes, não é possível prever as despesas ou quem irá realizá-las".

Relativamente ao donativo de pessoa coletiva, o TC constatou que a CDU procedeu a comícios-jantares sem apresentar as despesas do aluguer de vários espaços, alegando que foram cedidos a título gratuito, mas o tribunal evocou que isso constitui um donativo em espécie, o que é proibido.

As conclusões foram enviadas pelo Tribunal Constitucional ao Ministério Público para "eventual aplicação das sanções".

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.