sicnot

Perfil

País

Investigação sobre mosquitos da Universidade Nova ganha bolsa de Bill Gates

O Instituto de Higiene e Medicina Tropical (IHMT) ganhou uma bolsa de 93 mil euros da Fundação Bill & Melinda Gates, para desenvolver refeições artificiais para mosquitos, para os produzir em grande escala e utilizar na investigação.

Desenvolvida por investigadores do IHMT da Universidade Nova de Lisboa e do Centro de Ciências do Mar (CCMAR) da Universidade do Algarve, a ideia é criar refeições artificiais para mosquitos, de forma a deixar de ser necessário recorrer a sangue. (Arquivo)

Desenvolvida por investigadores do IHMT da Universidade Nova de Lisboa e do Centro de Ciências do Mar (CCMAR) da Universidade do Algarve, a ideia é criar refeições artificiais para mosquitos, de forma a deixar de ser necessário recorrer a sangue. (Arquivo)

© China Stringer Network / Reuters

Henrique Silveira é o coordenador do projeto português da Universidade Nova de Lisboa que vai receber perto de 100 mil dólares do "Grand Challenges Explorations", da Fundação Bill & Melinda Gates, um programa lançado em 2008 que já apoiou cerca de 1.160 projetos de mais de 60 países.

Desenvolvida por investigadores do IHMT da Universidade Nova de Lisboa e do Centro de Ciências do Mar (CCMAR) da Universidade do Algarve, a ideia é criar refeições artificiais para mosquitos, de forma a deixar de ser necessário recorrer a sangue, contou à Lusa Henrique Silveira.

A equipa identificou um péptido que circula no sangue humano que, ao interagir com um recetor do mosquito, induz a produção de ovos nos mosquitos e os investigadores querem produzir, com recurso a esse péptido, uma refeição que estimule uma produção de ovos idêntica à obtida com a refeição sanguínea.

A produção de mosquitos em grande escala será útil "para atividades de controlo de produção de vacinas, introdução de mosquitos geneticamente modificados ou de mosquitos estéreis que vão servir para controlar a população de mosquitos que transmitem doenças como a malária ou o dengue", explicou o coordenador do projeto do centro de investigação GHTM - Global Health and Tropical Medicine do IHMT.

"Dieta artificial complementada com um fator de sangue humano" é o nome do projeto liderado por Henrique Silveira e desenvolvido em colaboração com João Cardoso, Deborah Power e Rute Félix do CCMAR, da Universidade do Algarve.

Henrique Silveira lembrou que a produção de mosquitos em grande escala, em laboratório, para efeitos de controlo da doença ou de investigação científica, está sempre dependente de sangue humano ou animal, "o que levanta problemas éticos e de segurança".

O trabalho vai arrancar com os 100 mil dólares, mas a equipa está confiante de que poderá vir a receber mais um milhão para continuar o seu trabalho.

"Nós temos 100 mil dólares para provar a nossa ideia em 18 meses e, depois, se a ideia tiver capacidade de ir mais à frente, poderemos candidatar a uma verba de um milhão à Fundação Bill & Melinda Gates", disse, acreditando que "a ideia tem muito potencial", porque "os dados preliminares indicam que é possível ser executada."

Este projeto é uma das mais de 50 ideias inovadoras financiadas hoje pela Fundação Bill & Melinda Gates.

Lusa

  • Estudo revela efeitos da crise e os cuidados de saúde
    1:49

    País

    A crise aumentou o número de internamentos nos hospitais públicos, embora sejam mais curtos. Há também mais gravidezes com complicações e mais enfartes. Segundo um estudo da Universidade Nova de Lisboa, a falta de emprego e de dinheiro pode ter limitado o acesso a cuidades de saúde degrando a saúde dos portugueses.

  • Passos Coelho pede desculpa aos portugueses
    3:35
  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.

  • Glifosato na lista de produtos cancerígenos na Califórnia

    Mundo

    O estado norte-americano da Califórnia, nos Estados unidos, pode vir a obrigar o fabricante do popular herbicida Roundup a comercializar o produto com um rótulo que informe os consumidores de que o produto é cancerígeno. O glifosato, princípio ativo do herbicida Roundup fabricado pela Monsanto, consta de uma lista que vai ser divulgada na Califórnia, a 7 de julho, de produtos químicos potencialmente cancerígenos.